Instituto Vladimir Herzog e editora apresentam biografia de Vlado para crianças e adolescentes

Da historiadora Marcia Camargos, livro explica o que foi a ditadura militar

Como parte das atividades para relembrar os 40 anos do assassinato de Vladimir Herzog por agentes da ditadura, o Instituto Vladimir Herzog em coedição com a Autêntica Editora, lançam o livro Um Menino Chamado Vlado, um resgate da vida do jornalista especialmente voltado para o público infantojuvenil.

Mesclando ficção e realidade, a obra parte de depoimentos feitos por familiares, colegas de escola, de militância e de profissão, para resgatar a vida de Vladimir Herzog desde a sua infância na Itália, abordando também sua formação e suas atividades além do jornalismo.

A historiadora e autora Marcia Camargos conta como ele começou a escrever para o jornal O Estado de S. Paulo, em 1959 e mudou seu nome de Vlado para Vladimir, por soar menos exótico. O relato prossegue no início da década de 1960, quando se casou com Clarice Herzog e, após o golpe militar de 1964, quando passou uma temporada na Inglaterra junto de sua mulher e seus dois filhos, Ivo e André. 

Em 1968, a família voltou ao Brasil e em 1975, pouco antes de seu assassinato, foi chamado para dirigir o jornalismo da TV Cultura. Com o patrocínio do Banco Safra, o livro contém ilustrações da vida de Vladimir feitas pela artista Mirella Spinelli.

O intuito do livro é explicar aos jovens e crianças o que foi a ditadura instalada em 1964, bem como os movimentos de oposição e resistência ao regime, tendo como fio condutor a historia de Herzog por meio de um formato e linguagem próprios para o público infantojuvenil.