Terêncio Porto lança romance 'Animal de Estimação', na próxima terça

Com doses pesadas de ironia e humor, esta é a segunda publicação do autor

Ele tem 30 e poucos, perdeu o pai há cerca de um ano, trabalha a contragosto como coolhunter numa agência, namora Renata e vive num pequeno apartamento na Zona Sul do Rio. "É dissimulado com os próprios sentimentos... Nunca se mostra impressionado, e isso vale inclusive pra quando está só. Mesmo fritando por dentro, em seu quarto ou onde quer que seja, nunca demonstra verdadeiro entusiasmo. É uma puta, cínica."

Ela é Paloma, veterinária recém-solteira, após o rompimento doloroso de um relacionamento de sete anos. Vive com Afrânio, seu gato, está depressiva e ainda sofre um assalto. "Agora tudo o que quer é sumir um pouco, ficar só, com Afrânio, dengando-se mutuamente, sem pensar muito, tomando seu tempo em ser nada e esquecer aquele pesadelo. Pra ela, estar com o gato é como estar sozinha. Mais sozinha do que se estivesse sem ele."

É um jogo duplo, como dupla é a existência pretendida por "Animal de Estimação", o novo livro de Terêncio Porto, a ser lançado no dia 28 de julho, às 19h, na Travessa de Botafogo, pela Editora 5W. Esta é a segunda publicação do autor que, em 2011, lançou "Só, Atrás do Ouro".

Neste romance contemporâneo, Terêncio apresenta uma escrita inquietante, com doses pesadas de ironia e humor, que assaltam o leitor logo de cara, pelo modo como descreve os acontecimentos mais banais. Capítulo a capítulo, o casal protagonista tenta se decifrar num jogo envolvente, sempre refém das rasteiras do acaso. É o fluxo da vida.

"Arrastados pelo que parece sempre um pouco fora de alcance, o destino dos personagens parece nos perguntar: há algo além da rotina cotidiana entre os extremos da coragem ou descontrole? No mundo construído por Terêncio Porto, apesar de avançarem na iminência do desastre, às margens de uma desordem incontornável e bela, 'pairando acima dum colossal precipício onde o vento é absurdo', os personagens são atravessados por todo tipo de experiência, das mais contundentes às corriqueiras, em lugares aparentemente banais, bares, petshops, esquinas e sinais de trânsito. Por mais absurdos e muitas vezes patéticos, percebemos que os personagens são nossos amigos, companheiros de trabalho, parentes e conhecidos. E, pasme, são como nós", analisa Luiza Leite (escritora e editora), que assina a orelha.

"Escrever Animal de Estimação foi uma válvula de escape, um processo espontâneo num momento de crise. O livro fala de expectativas e perspectivas, questiona a arquitetura do destino e revela como a vida pode ser ao mesmo tempo cruel e decepcionante, ou surpreendente e redentora", dispara Porto.

Em tempos excessivamente velozes, de superficialidades e muito tarja preta, Terêncio nos confronta com nossas dores inexoráveis, aquelas que não têm escapatória, "é a briga da concretude irreversível da morte contra a lamúria limitada dum luto esperado". Nos fala do tempo de cada um e, sobretudo, do que não chega a se materializar, mas nos marca profundamente. Da vida, ninguém sai ileso.

Animal de Estimação

Ano: 2015

Páginas: 170

R$ 32,00