Cineasta francês Georges Lautner morre aos 87 anos

O cineasta francês Georges Lautner, inesquecível autor de Testamento de um Gângster (1963), faleceu na última sexta-feira (22), aos 87 anos, em Paris, declarou à AFP o ex-dublê Rémy Julienne. O diretor passou por uma "longa doença", acrescentou Julienne, que atuou como dublê em vários filmes de Lautner.

Em 60 anos de carreira, Georges Lautner filmou com os grandes do cinema: Jean-Paul Belmondo, Bernard Blier, Alain Delon, Lino Ventura, Jean Yanne, ou Mireille Darc. Doente, ele não conseguiu comparecer a uma homenagem a ele em Nantes (oeste da França), nos últimos dias, pelos 50 anos da estreia de Testamento de um Gângster.

Tontons Flingueurs, seu nome original, conta a história de Fernand Naudin (Lino Ventura) é um ex-gângster, que trabalha com máquinas agrícolas em um pequeno vilarejo no sul da França. Porém sua vida modesta é interrompida quando seu amigo de infância e chefe da organização, Mexicano (Bernard Blier) morre. Ele, então, tem como missão cuidar dos negócios e da filha do amigo, a rebelde Patrícia (Sabine Sinjen), que não se importa em terminar uma faculdade e só quer se divertir. Invejado por outros gângster, que queriam o lugar do Chefe, Fernand tem que importo o seu poder e jogo de regras. 

O filme não teve grande sucesso quando entrou em cartaz, mas ao longo do tempo se tornou um clássico na TV francesa. Estreando no cinema em 1958, com La Môme aux boutons, Lautner dirigiu mais de 40 filmes. O último foi Scénarios sur la drogue (Cenários de drogas, em tradução livre), uma série de produções de diversos tamanhos sobre o consumo e vício de drogas, de 2000.