Jamie Foxx usa experiência com abuso racial em 'Django Livre'

O ator Jamie Foxx, que interpreta um escravo libertado no novo filme de Quentin Tarantino, Django Livre, ficou impressionado com o tom enervante do roteiro do longa e canalizou sua própria experiência com abuso racial enquanto era jovem para desenvolver o personagem.

>> Confira a crítica de "Django Livre" 

''Foi o roteiro mais incrível que já li em toda minha vida. Pensei: 'quem teria coragem de contar a história como realmente foi?' O jeito que ele [Quentin] relata os fatos é de rasgar a pele de tão desconfortante'', explicou Jamie.

''Quando conheci Quentin, a primeira coisa que fiz foi contar minhas experiências. Quando criança, crescendo no Texas, há algumas coisas em que o componente racial era definitivamente elevado. Então, decidi que tudo isso iria sair de mim como uma teia de aranha, assim que começássemos as filmagens."

O astro de 45 anos lembrou que o chamavam de 'negrinho', acrescentando: ''quando um projeto se torna mágico e especial, isso significa que em algum ponto no roteiro você irá se encontrar com sua própria história''.

Jamie disse ainda que achou muito importante que suas filhas - Corinne, 18 anos, e Annalie, 4 anos - pudessem ter a oportunidade de ter uma conexão emocional com a era dos escravos cada vez que iam aos estúdios visitá-lo. ''Não tem como presenciar e não sentir algo. Fiz questão de levá-las para conhecer todos o set de filmagem e disse: 'é daqui que vocês vieram''.