John McAfee vende direitos para produção de filme sobre sua vida

Vivendo atualmente sob custódia na Guatemala, país onde é suspeito de ter entrado ilegalmente, John McAfee assinou um contrato que garante os direitos de contar a história de sua vida a um produtor da televisão canadense. A empresa Impact Future Media informou que garantiu os direitos exclusivos de propriedade intelectual sobre a história do ex-fugitivo e intitulou o projeto de Running in the Background: The True Story of John McAfee (Rodando em Segundo Plano: a Verdadeira História de John McAfee, em tradução livre).

 "O sr. McAfee nos confiou sua história de vida, e essa é uma responsabilidade que levamos muito a sério", afirmou em um comunicado François Garcia, CEO e cofundador da companhia. "Trabalharemos incansavelmente para ter certeza de que essa história seja compartilhada com parceiros adequados", completou.

McAfee, que é procurado em Belize por suspeita de homicídio, agradeceu o interesse pelo projeto. "Sua dedicação à verdade é bastante incomum no mundo em que vivemos hoje em dia", afirmou o milionário no mesmo comunicado. O pioneiro do software antivírus foi preso na última quarta-feira pela polícia guatemalteca depois de entrar no país em busca de asilo político - pedido que foi negado pelas autoridades.

Entenda o caso

John McAfee é o principal suspeito do assassinato do expatriado americano Gregory Faull, seu vizinho em San Pedro, Belize, país da costa nordeste da América Central, ao lado do México e da Guatemala. Faull foi encontrado morto com um tiro na cabeça na noite do dia 10 de novembro em sua casa. A polícia procurou McAfee no domingo (11) para interrogatório, mas ele se enterrou em um buraco na areia da praia, de onde observou a movimentação policial por 18 horas, e escapou dos agentes.

Para continuar fugindo da polícia, McAfee também pintou o cabelo. No dia 4 de dezembro, ele chegou à Guatemala, onde pede asilo político. Ele cruzou a fronteira entre os dois países ilegalmente acompanhado da sua noiva. De acordo com o jornal El País, o milionário andava armado como um mercenário em Belize. Desde que iniciou sua fuga, McAfee acusou ex-funcionários de planejarem incriminá-lo e matá-lo e, em uma entrevista, negou ser paranoico.

Segundo McAfee, que vem relatando sua fuga em um blog, ele está 'na mira' das autoridades desde que se negou a fazer uma contribuição a um político local. Em abril deste ano, ele teve sua casa em Belize invadida por policiais, que encontraram um laboratório de química, US$ 20 mil e um estoque de armas de fogo. McAfee chegou a oferecer US$ 25 mil como recompensa para quem provar sua inocência. Em 2010, McAfee vendeu para a Intel a empresa que criou em 1980. Desde então, não tem mais participação na companhia, que ainda leva seu nome.