Kiss dá aula de rock para 25 mil alunos em São Paulo

O horário da aula estava marcado para 21h30 deste sábado (17). A classe ficou lotada com 25 mil alunos sedentos por rock. Os professores - que atrasaram duas horas em seu último compromisso - foram pontuais desta vez, apenas 10 minutos os separaram da hora combinada. Mestres de cerimônias com quase 40 anos de experiência, os integrantes do Kiss não tiveram dificuldade em controlar a baderneira e barulhenta classe montada no Anhembi, em São Paulo. 

Com a responsabilidade de apresentar aos seus seguidores os itens que um legítimo espetáculo de rock precisa ter, Paul Stanley, Gene Simmons, Eric Singer e Tommy Thayer prepararam uma aula lúdica. A primeira lição da aula veio com Detroit Rock City. Diversos temas de rock vieram em menos de um minuto: pirofagia, fogos de artifício, telões em alta resolução, colunas de amplificadores (mesmo que falsos) e claro, as lendárias máscaras de The Starchild, The Demon, The Spaceman e Catman. Em catarse, a plateia respondeu indecisa entre gritos histéricos de alívio ao rever seus heróis com versos da canção que abre o disco Destroyer, de 1976.

"Nós estivemos na Argentina, no Chile...", disse Paul Stanley. Ao ouvir as vaias, ele sabia bem o que estava fazendo. "Mas vocês, São Paulo. Vocês são número 1", continuou. Por mais que a frase soe clichê e mesmo que alguns fiquem com o sentimento de "você diz isso para todos", quem se importa? O público vai ao delírio. Copos de cerveja voam e banham as maquiagens - das mais elaboradas até as mais toscas - que jamais durariam até o final da apresentação. Novamente: quem se importa?

Shout It Out Loud, Calling Dr. Love, Hell or Hallelujah, Wall of Sound e Hotter Than Hell dão a abertura de um jogo praticamente ganho. Onde todos sabem para onde a apresentação caminha e torcem para que tudo aconteça como no cronograma. Do palco, o Kiss não economiza. Gasta. Fogos de artifício são disparados a todo momento da parte anterior ao palco, que esconde o tímido sambódromo tão desacostumado com tantas guitarras. Explosões reforçam os refrãos. Colunas de fogo sobem enquanto os gritos aumentam e chegam a encobrir o sistema de som da Arena Anhembi, que sempre deixa um pouco a desejar.

Mesmo em um show teatral e quase circense como este, fica difícil imaginar dois senhores sexagenários praticando estripulias, mas é o que acontece. Enquanto Gene Simmons, 63, é içado pelas costas para uma plataforma na estrutura do palco em God of Thunder, Paul Stanley, 60, realiza um voo de tirolesa sobre o público. Rigorosamente cronometrada, a aula de rock segue com todos este elementos em perfeito equilíbrio, ancorada por um set list certeiro e com poucas lacunas a serem preenchidas.

Mas na aula do Kiss, a atenção não fica presa somente aos fundadores Stanley/Simmons. Enquanto Tommy Thayer preenche as canções com todos os solos possíveis de um legítimo "guitar hero", Eric Singer honra seu sobrenome (cantor, em inglês) e canta a plenos pulmões enquanto a plataforma que segura sua bateria é elevada até a parte mais alta do palco.

Chegando na reta final da apresentação ganha novo ponto alto. Psycho Circus, single de 1998, levanta o público de forma efusiva reavaliando os alunos da Arena Anhembi em todos os testes apresentados anteriormente. Aprovados com excelência na prova do coro, os fãs do Kiss cantaram refrão do hit a plenos pulmões, sem falhas. Depois de War Machine e Love Gun, Stanley chamou a atenção de seus fãs: "São Paulo, vocês podem cantar um pouco mais alto?". A canção que estaria por vir era Black Diamond, do disco Kiss (1974), para fechar a aula com pé direito.

O intervalo foi rápido para os alunos do rock. Nesse caso, diferente das nossas tradicionais escolas, a ansiedade para voltar à aula era grande. Sabendo disso, os quatro tutores retornaram para uma lição rápida e infalível: Lick It Up e I Was Made For Loving You deram um quê de "caldeirão" que o Anhembi não tem. A última matéria a ser aplicada não pegou ninguém de surpresa: Rock n Roll All Nite, decorada e urrada por todos como se não houvesse amanhã. "Toda vez que estamos em São Paulo nos sentimos em casa. Nossos corações estão aqui. Como eu já disse, estivemos no Chile e na Argentina. Mas podemos voltar em breve?", questionou Stanley, que já sabia a resposta antes mesmo de subir ao palco.

O sinal toca para finalizar a aula. Em vez de uma campainha irritante, fogos de artifício, muitos fogos. A impressionante quantidade de explosões - invejável até para muitas festas de Réveillon - faz com que todos os pescoços se dobrem para o céu. A cada pausa que indicaria o fim da queima, novos fogos. Quando voltamos a olhar o palco, percebemos que Stanley, Simmons, Thayer e Singer já aproveitaram para sair de fininho, sem chamar a atenção, algo pra lá de incomum para o Kiss. Lição dada.