Crítica: 'O exercício do poder'

É em época de crises que surgem as melhores ideias. Assim sendo, o cenário francês não poderia ser melhor. Vítima da grave situação da zona do euro, a economia francesa caminha para a recessão gerando tensões políticas constantes, porém excelentes filmes.

Roteirizado e dirigido por Pierre Schöller, O exercício do poder é um premiado filme pertencente ao universo complexo da política, mas que, para estranheza daqueles que associam políticos à corrupção, não cai em clichês escandalosos. Vencido o óbvio, o espectador é surpreendido por uma abordagem extremamente realista que dialoga com belíssimas pitadas surrealistas: o convite inicial é para as entranhas de um crocodilo.      

Metáforas à parte, a dureza do dia a dia político inunda as telas e, consequentemente, o público de forma rápida. Humano e verdadeiro, Bertrand Saint-Jean (Olivier Gourmet), então ministro dos transportes, tem seu futuro e o de seu governo ameaçados por uma crise fruto de um acidente de ônibus envolvendo crianças e adolescentes. A mídia, a verdadeira rainha para a qual todos se curvam, se faz presente tal qual um abutre. Logo após o ocorrido, em meio ao resgate dos corpos, Bertrand fala às câmeras. Não sem antes ser orientado a uma estratégica troca de gravata. Época de eleição.

Após o grande acontecimento, o roteiro se atém em esmiuçar de maneira natural as crises que eclodem ao longo de muitos encontros pessoais e políticos. As situações são as mais diversas e, por mais atípicas que algumas possam parecer, como é o caso do encontro que envolve o ministro, seu motorista particular e a esposa, tudo flui perfeitamente e apresenta diálogos precisos e analíticos.  Como se não bastasse toda a maestria com que o filme se desenrola, a montagem, a trilha e o silêncio como recurso são impecáveis. Créditos para a cena do acidente de Bertrand.

O exercício do poder é realmente um grande filme e um forte candidato ao melhor do ano. Vale aceitar o convite inicial, pois a sutileza de não ser tendencioso alinhada à persuasão faz do interior do crocodilo um lugar sufocantemente belo.

Cotação: **** (Excelente)