Festival de Curitiba faz homenagem ao centenário de Nelson Rodrigues

No primeiro dia de apresentações ao público, o Festival de Curitiba trouxe uma homenagem ao centenário de nascimento de Nelson Rodrigues. Um folhetim melodramático, mas cheios das pitadas do autor, Escravas do Amor praticamente lotou o Teatro Guaíra, na capital paranaense. Peça da companhia carioca Fodidos Privilegiados, com Juliana Baroni como protagonista e Sérgio Marone no elenco, o texto foi adaptado pelo diretor João Fonseca da novela publicada por Suzana Flag, um dos pseudônimos utilizados por Rodrigues, em jornais diários cariocas.

Escravas do Amor é um dos textos menos conhecidos do autor e reúne no palco 13 atores, entre eles os convidados Juliana Baroni e Sérgio Marone. Segundo o ator, a peça praticamente não foi vista fora do Rio de Janeiro desde que estreou sua primeira versão, em 2007. Por isso, a curta temporada curitibana é considerada a estreia nacional do espetáculo.

O melodrama traz a história de uma família com todas aquelas complicações características do trabalho de Nelson Rodrigues. A mãe tem um caso com o noivo da filha, que se suicida. O pai tem uma amante e a leva para dentro de casa. A mãe começa a se interessar por um outro rapaz e a filha tenta seduzir o mesmo homem para vingar-se da "traição da mãe", que só descobriu após a morte do noivo. E toda a história só faz sentido no final. "Nem posso falar muito para não entregar alguns segredos importantes. Nelson tem essa coisa de amarrar tudo só no final", disse Marone na coletiva de imprensa.

Apesar de ser um texto de Nelson Rodrigues e não fugir a suas características, Escravas do Amor é considerado um espetáculo leve perante outras obras do autor e que, em muitas ocasiões, verte para o humor. "Foi muito legal conhecer esse texto, também porque as pessoas nem sempre compreendem que ele tem coisas engraçadas. É pra rir de algumas situações. Este texto tem uma leveza que outros não tem", disse Marone. "Ele cria uma estrutura melodramática que combina grandes ganchos, é ingênua ao mesmo tempo que mantém as pitadas rodrigueanas", disse João Fonseca.

O Festival de Curitiba e a companhia Fodidos Privilegiados trazem mais um texto de Nelson Rodrigues para homenagear o centenário do escritor: O Casamento, que também na mostra oficial do evento. João Fonseca explicou que a escolha recaiu sobre os dois textos porque foram espetáculos significativos na trajetória do grupo. "Para a companhia, esta é a melhor maneira de homenageá-lo. Tem tudo a ver com a nossa história. Tem esse jeitão carioca da Fodidos Privilegiados que encontra eco em Nelson Rodrigues", disse, alertando queO Casamento tem uma narrativa mais pesada.

Quem foi ao Guairão saiu com boa impressão do que assistiu. "Achei muito boa a peça, muito criativa, com soluções bem engraçadas para representar a história", disse a nutricionista Louise Turcatel. "Só achei um pouco extensa demais. Para mim ficou cansativa", ponderou seu marido, Leonardo Iwamura. "Achei leve, mas bem Nelson Rodrigues, com vários tapas na nossa sociedade que vive de aparências", disse a psicóloga Clarissa Ribeiro. Escravas do Amor tem mais uma sessão no Festival de Curitiba na noite desta quinta-feira, às 21h, no Teatro Guaíra.