Festival de Berlim começa nesta quinta de olho nas transformações do mundo

Sempre antenado com as transformações do mundo,a  62ª edição do Festival de Berlim começa nesta quinta-feira, dia 9, com Lesadieux à la reine,  drama de época sobre os dias que antecederam à Revolução Francesa (1789). Dirigido pelo francês Benoit Jacquot e estrelado pela alemã Diane Krüger(de Bastardos inglórios, de Quentin Tarantino), o filme é narrado do ponto de vista dos empregados do palácio real de Versalhes, temerosos com a chegada dos revoltosos. 

O título de abertura da maratona, que termina dia 19, dá o tom da programação deste ano, que distribuiu por suas diversas mostras títulos que refletem o espírito dos levantes sociais quese espalharam pelo mundo. “O Festival de Berlim tem uma tradição fortemente política e, portanto, é nossa obrigação mostrar filmes que espelhem o importante momento que vivemos”, disse DieterKosslick, diretor artístico do evento, ao anunciar a seleção.

Documentários sobre o artista plástico Weiwei, preso e censurado pelo governo chinês, e sobre as consequências sociais do tsunami seguido de vazamento nuclear no Japão, no ano passado, conferem atualidade à seleção alemã. A americana Angelina Jolie contribui para as causas sociais com In thelandofbloodandhoney, drama ambientado durante a Guerra da Bósnia, nos anos 90, que marca a estreia da atriz na direção de longas-metragens.

Os novos realizadores predominam na competição principal, que reúne produções da Espanha, Dinamarca, Chiina, Filipinas, Canadá, Indonésia, França e Alemanha. Premiados em Cannes, os veteranos italianos Paolo e Vittorio Taviani (Pai patrão) voltam ao circuito de festivais internacionais com “Cesare deve morire”.  O diretor filipino Brillante Mendonza concorre com “Captive”, drama sobre turistas sequestrados por terroristasestrelado pela francesa Isabelle Huppert. O Brasil tem uma participação discreta, como um dos coprodutores, da produção portuguesa Tabu, dirigido por Miguel Gomes.

A participação 100% brasileira está garantida na mostra Panorama, a mais importante paralela do evento, que selecionou “Xingu”, de CaoHamburger, sobre a saga dos irmãos Villas-Boas em territóriso indígenas, e o documentário “Olhe para mim de novo”, de Kiko Goifman e Cláudia Priscilla, sobre identidade sexual.  A seleção de curtas inclui “Licuri surf”, de Guile Martins. Os atores Caio Blat e João Miguel, protagonistas do filme de Hamburger, são presenças esperadas em Berlim, ao lado do diretor.

Também não faltarão astros de Hollywood nos tapetes vermelhos da Berlinale, como o festival alemão é carinhosamente conhecido. A atriz Meryl Streep receberá um Urso de Ouro honorário, pelo conjunto de sua carreira, e prestigiará a projeção de “A Dama de Ferro”, no qual interpreta a ex-primeira ministra britânica MagarethTatcher, papel com o qual concorre ao Oscar de melhor interpretação feminina deste ano.

Uma Thurman e Kristin Scott Thomas são presenças esperadas na projeção especial de “Bel ami”, de DeclanDonnellan e Nick Ormerod, em filme protagonizado por Robert Pattinson – o astro da franquia “Crepúsculo”.  Michael Douglas, Antonio Banderas e Ewan McGreggor também são aguardados para a noite de gala de “A toda prova”, novo thriller de Steven Sodebergh (“Onze homens e um segredo”). Fora das atividades oficiais do festival, Berlim também abrigará ao lançamento de “Rush”, de Ron Howard, cinebiografia do piloto de fórmula um Niki Lauda, a ser estrelado por Olivia Wilde (da série “House”), Chris Hemsworth (“Thor”), e Russell Crowe (“Gladiador”). O festival termina dia 19 com o anúncio dos vencedores, escolhidos pelo júri presidido pelo realizador britânico Mike Leigh (“Segredos e mentiras”).