"O Brasil é o meu país favorito", declara David Guetta em SP

"Ele é diabólico", definiu uma professora de 48 anos ao ver David Guetta entrar no palco do Pavilhão Anhembi, em São Paulo, às 2h30 deste sábado (7). E esse talvez seja mesmo o melhor adjetivo para definir o DJ, que hoje é considerado o melhor do mundo, segundo a DJ Magazine.

Depois de assistir sem muita empolgação às apresentações dos DJs Mario Fischetti e Viktor Mora & Naccarati, o público, formado sobretudo por jovens, mas com as suas exceções - como é o caso da professora de 48 anos -, delirou ao ver Guetta entrando no palco, e a grande balada prometida pela organização enfim tomou forma.

O francês não decepcionou e, em um espetáculo cheio de luzes, tocou hits como Sexy Bitch e Without you, encerrando com a já clássica I Gotta Feeling. "Antes eu gostava de Elvis, mas o David Guetta é terrível", disse Verônica de Lima, a professora de 48 anos. Ela contou que conheceu o DJ através das filhos e virou fã.

Depois de duas horas e meia de show, o público ainda pediu um bis, mas as luzes do Pavilhão Anhembi se acenderam e, aos fãs, só restou ir embora. Mas, se depender de Guetta - "o Brasil é o meu país favorito", disse ele nos momentos finais do show -, logo, logo, ele estará por aqui de novo.

A turnê de Guetta pelo Brasil visitará mais cinco cidades: Belo Horizonte (8 de janeiro), Fortaleza (9), São Luís (10), Belém (11) e Recife (12).