'Se Beber Não Case II' se livra de complicações legais

A Warner Bros., estúdio responsável por Se Beber Não Case II, não tem mais complicações legais por conta do filme, de acordo com o site Hollywood Reporter.

Em outubro, um homem chamado Michael Alan Rubin processou o estúdio, dizendo que o filme foi feito baseado em um roteiro que descrevia suas aventuras na Ásia. 

Rubin alegava que seus direitos haviam sido violados, e que havia sido difamado no filme, que mostra um personagem sobre influência de drogas que pede um transexual em casamento.

Dois meses antes, Scott McLean entrou com um processo alegando ter ficado com sequelas sérias após uma dublagem do ator Ed Helms. Segundo McLean, uma mudança no tempo da performance causou o acidente de carro, e ele precisou viajar para a Austrália para cuidar do trauma cerebral.

Após um acordo, ambos desistiram voluntariamente dos processos.