Delegado é empossado presidente de honra da Mangueira em feijoada de homenagens

O mestre-sala e o colega Dionísio, autografaram 'Delegado e Dionísio - Vidas em passos de arte', de Sérgio Gramático Júnior

A tradicional feijoada da Mangueira, neste sábado, foi temperada por homenagens. Considerado o maior mestre-sala de todos os tempos, Delegado foi “empossado” como presidente de honra da Estação Primeira. Em paralelo, autografou, ao lado do fundador da Escola de Mestre Sala e Porta Bandeira, Manoel Dionísio, a biografia Delegado e Dionísio - Vidas em passos de arte, de autoria do poeta e jornalista Sérgio Gramático Júnior, que já havia lançado Maçu da Mangueira - o primeiro mestre-sala do samba.

“O Ivo Meirelles (presidente da agremiação) já havia me dito que eu seria escolhido o presidente de honra. Para mim é uma alegria sem tamanho”, disse Delegado, mestre-sala que recebeu nota máxima nos 36 anos em que protegeu o pavilhão mangueirense nos desfiles, e há  pelo menos 30 anos é responsável por cadenciar ou acelerar a passagem da verde e rosa pela avenida. “Uma coisa é certa, mesmo como presidente, vou continuar diretor de harmonia, sempre.”

Autor de uma das homenagens aos baluartes da Mangueira, Sérgio Gramático Júnior conta como a vida dos dois mestres-sala é descrita no livro.

“O Delegado aparece primeiro, até pela idade, mas as passagens da história de cada um vão se alternando ao longo do livro” disse Sérgio. “Até que se encontram quando Dionísio, à frente da Escola de Mestre Sala e Porta Bandeira, chama Delegado para ser conselheiro da instituição”.

O presidente do Grêmio Recreativo e Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, Ivo Meirelles, comentou a publicação de um livro que narra a história de vida de dois baluartes da agremiação.

“O lançamento prova que a Mangueira é mesmo um celeiro de samba. É a confirmação de uma vocação mangueirense”, definiu Ivo. “A nomeação de Delegado nada mais é do que isso: a titulação de sua importância em nossa história, o que pode ser comprovado pela presença de toda essa gente aqui hoje”.

Fundador e presidente da Escola de Mestre Sala e Porta Bandeira, Dionísio destacou a importância de ter sua vida contada em um livro.

“Ser homenageado ainda em vida é uma honra, uma graça de Deus”, definiu ele, cuja instituição de ensino que dirige está, provisoriamente, funcionando no  Centro de Artes Calouste Gulbenkian, na Cidade Nova, por conta das reformas no Sambódromo. “Já havia sido lembrado em alguns sambas-enredo de outras escolas menores, e blocos de rua, mas, em um livro, a alegria é outra. Ainda mais ao lado do Delegado, que é o mestre-sala dos mestres-sala”.

Serviço:

“Delegado e Dionísio vidas em passos de arte”. Autor: Sérgio Gramático Júnior. R$ 22,00 / 120 páginas / Editora Hama.