Concertos vão mostrar a proximidade musical entre Brasil e Argentina

Uma série de concertos mensais, que terá início na próxima terça-feira (26), vai promover até novembro, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro, o diálogo musical entre o Brasil e a Argentina. Reunindo em cada uma das apresentações instrumentistas e cantores dos dois países, a sérieMPAeB pretende mostrar que há similaridades nessas duas fortes linguagens musicais da América do Sul.

A iniciativa partiu do músico carioca Mário Sève e da cantora e letrista portenha Cecilia Stanzione. Conectados pela internet, os dois desenvolveram a partir de junho de 2008 uma fértil parceria, que resultou em 13 canções que formam o repertório do concerto de abertura da série. Em Cancion Necessaria – Brasil y Argentina, Cecilia (voz) e Mario (sax, flauta e arranjos) estarão acompanhados de uma banda formada por músicos dos dois países. O encontro também marca o lançamento do CD que registra 11 das canções produzidas pela dupla.

“O tango, o choro, a modinha e as valsas respiram de uma maneira muito parecida na música brasileira e na argentina”, diz Sève, também curador da série. “A partir do trabalho conjunto que iniciamos, comecei a conhecer um universo ligado à música folclórica argentina e Cecilia um pouco mais das raízes do samba brasileiro.”

Segundo Sève, os concertos não vão enfocar somente o tango, que é essencialmente a música de Buenos Aires. “Em outras partes do país, você tem uma variedade musical muito interessante, que mistura a influência europeia com uma cultura nativa e que resultou em gêneros como a chacarera, o zamba e o chamamé.”

O segundo concerto da série, Tango Y Tango Brasileiro, no dia 23 de agosto, vai reunir o tango e o choro, que no início do século 20 era chamado de “tango brasileiro”. “Era essa a denominação que traziam as partituras das músicas de Ernesto Nazareth, um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos, mas o tango brasileiro nada mais é do que um choro”, diz Sève.

Nesse concerto, vão se apresentar duas lendas do tango argentino, o bandeonista Walter Ríos e o contrabaixista Oscar Giunta, juntamente com o pianista brasileiro Cristóvão Bastos, tocando um repertório que vai misturar Nazareth com Carlos Gardel.

Os concertos seguintes serão Folclore com K, no dia 27 de setembro, com o pianista argentino Carlos Aguirre e o brasileiro Benjamin Taubkin Trio, de São Paulo, e MPA y MPB, reunindo o grupo Aca Seca, do país vizinho e o cantor e violonista mineiro Sergio Santos, no dia 25 de outubro. Encerrando a série, La Zamba y o Samba, no dia 22 de novembro, terá o grupo carioca Nó em Pingo D’Água se apresentando com os argentinos Hernán Ríos e Norbi Córdoba.

Cada concerto terá duas apresentações, às 12h30 e às 19h, com ingressos a R$ 6 (inteira) e R$ 3 (para estudantes e maiores de 60 anos). Segundo Sève, a ideia é levar depois a série para outras cidades brasileiras e também para Buenos Aires.