Canto de amor de Woody Allen a Paris abre o Festival de Cannes

 

CANNES - O filme "Meia-Noite em Paris", um canto de amor à Cidade Luz do diretor de cinema nova-iorquino Woody Allen, inaugura nesta quarta-fera o Festival de Cinema de Cannes, que tem como presidente do júri o ator Robert De Niro, outra lenda do cinema americano.

Filmada em todo o seu esplendor, Paris é a verdadeira protagonista do longa-metragem, que não disputa a Palma de Ouro, mas tem a honra de abrir a maior festa do cinema mundial, que prosseguirá até 22 de maio nesta cidade do sul da França.

"Queria mostrar (Paris) através dos meus olhos, através das emoções, não de uma maneira objetiva, real", explicou Allen após a exibição para a imprensa do filme, que tem participação especial da primeira-dama da França, Carla Bruni Sarkozy.

"É um olhar subjetivo, não objetivo, de Paris", insistiu Allen, que estava ao lado de alguns atores do filme, entre eles Owen Wilson, que interpreta um roteirista de Hollywood que sonha em escrever um livro e morar em Paris, e Adam Brody, que interpreta o artista espanhol Salvador Dali.

O filme é uma divertida comédia romântica, e também uma viagem no tempo e espaço, na qual Allen transporta o espectador não apenas a alguns dos lugares mais emblemáticos e charmosos da Paris de hoje, mas também aos dos anos 20 e da 'Belle Epoque'.

Através do protagonista, Owen Wilson, o espectador observa alguns míticos escritores e artistas que viveram na Cidade Luz, como os americanos Ernest Hemingway, Francis Scott Fitzgerald e Gertrude Stein, o compositor Cole Porter, os artistas espanhóis Pablo Picasso e Salvador Dalí, além do cineasta Luis Buñuel.

Allen subirá as escadas do imponente Palácio dos Festivais para a cerimônia de abertura do Festival, nesta quarta-feira à noite, acompanhado de algumas estrelas do filme, incluindo a francesa Marion Cotillard, mas sem Carla Bruni Sarkozy, que anunciou na véspera que não viajará a Cannes.