Filme mexicano "Revolución" faz história no festival de Biarritz

O cinema mexicano saiu triunfante no encerramento do 29ª Festival de Cinema Latino-americano de Biarritz (França) neste domingo (3), que premiou a Revolución, feita por dez cineastas mexicanos.

Vencedor do principal prêmio do certame, o filme foi resultado de curtas-metragens de dez minutos de duração assinados por Gael García Bernal, Fernando Eimbecke, Patricia Riggen, Amat Escalante e Carlos Reygadas.

 

Mariana Chenillo, Gerardo Naranjo, Rodrigo Plá, Diego Luna e Rodrigo García são os outros cineastas autores do filme, que foi apresentado no Festival de Cannes.

A fita representa a realização do centenário da revolução mexicana através do compêndio de formas de olhar do México atual, com o objetivo de encontrar um eco daquele essencial momento da história do país.

 

Revolución levou o prêmio do Sindicato da Crítica de Cinema francês, enquanto o prêmio do Júri de melhor longa-metragem foi para o filme boliviano Zona Sur, dirigido por Juan Carlos Valdivia.

O prêmio de melhor atriz foi dividido entre duas atrizes Nanda Costa, Amanda Diniz e Kika Farias, por seus papéis em Sonhos roubados, do Brasil, enquanto Osmar Núñez ficou com a distinção de melhor ator por sua interpretação em O olhar invisível.

O prêmio ao melhor documentário União Latina-Festival de Biarritz foi para o brasileiro Diário de uma busca, de Flávia Castro.