Exclusivo: "Julia Roberts é sensacional", diz Javier Bardem

Já foi dito que Julia Roberts é maior do que a tela. Nunca este lugar-comum fez tanto sentido quanto em Comer, Rezar, Amar, que estreia esta sexta-feira (1) nos cinemas brasileiros. A linda mulher está em praticamente todas as cenas da adaptação do best-seller da escritora americana Elizabeth Gilbert. Um fracasso de público nos EUA, o filme levou parte da imprensa a especular se o reinado da namoradinha da América estaria chegando ao fim. Será?

Quando a reportagem do Terra conversou com aquela que já foi, nos anos 90 e 00, a estrela mais bem-paga de Hollywood (posto ocupado no ano passado por Sandra Bullock), Julia não estava nem aí para as vozes da oposição. Bonita, sem esconder a idade (ela completa 43 anos em 28 de outubro), ela já estava filmando Larry Crowne, com direção de seu amigo Tom Hanks, quando voltou no tempo para relembrar as aventuras de uma americana que resolve viajar pelo mundo depois de uma série de desilusões amorosas, com o objetivo de "voltar a se maravilhar com algo ou alguém".

No caminho, com escalas em Nova York, Itália, Índia e Bali, ela encontra personagens que a modificam intensamente, como o texano Richard, vivido pelo fenomenal Richard Jenkins, e um grande amor na pele de um brasileiro vivido pelo espanhol Javier Bardem. "Quando fui convidado para o papel do Felipe, não tive como recusar. Veja bem: filmar em Bali, de camiseta e short, e tendo como companheira de cena a Julia? Ela é sensacional", rasga em elogios o marido de Penélope Cruz, que, aos 41 anos, acaba de receber a notícia de que vai ser papai.

A motivação de Julia para deixar a tranquilidade da vida de dona de casa - ela e o marido, o diretor Daniel Moder, tem três filhos, os gêmeos Hazel e Phinnaeus, 5, e Henry Daniel, 2 - e encarar as filmagens foi a paixão pelo livro, que só nos EUA vendeu mais de seis milhões de exemplares. "O conteúdo é fascinante, a maneira com que ela fala da experiência de se jogar no mundo e da busca do significado da vida. Fazer parte desta história tão vibrante é um presente", disse. Roberts conta que levou a família consigo durante as viagens por três continentes que Comer, Rezar, Amar a transformou numa artista diferente. "Bem, fiz muitos novos grandes amigos para a vida toda, ee els me mudaram como pessoa. Foi como estar no Paraíso, e muito bem-acompanhada", conta.