Teatro Municipal apresenta balé Don Quixote

Montagem premiada de Dalal Achcar retorna ao Municipal após 16 anos

      RIO - Inspirado em um dos maiores clássicos da literatura e um dos balés mais famosos de todos os tempos, Don Quixote ganha nova temporada no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, a partir do dia 7 de outubro. A premiada montagem criada em 1982 por Dalal Achcar, que retorna ao palco do Municipal depois de um hiato de 16 anos, contará com a presença de solistas convidados, à frente dos mais de 60 bailarinos do Ballet do Theatro Municipal: a Étoile do Ballet da Opera de Paris, Dorothée Gilbert (Quitéria), revezando-se com as primeiras bailarinas do Ballet do Municipal Cláudia Mota e Márcia Jaqueline; as estrelas do ABT Marcelo Gomes e Sascha Radetsky que dividem o papel principal de Basílio com Cícero Gomes; e Cyril Atanassoff e Marco Pierin interpretando Don Quixote. Para conduzir a Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal foram convidados o maestro brasileiro Roberto Duarte e o argentino Carlos Calleja.

- No mundo inteiro, Don Quixote é um dos balés de maior sucesso e de maior público, ao lado de O Lago dos Cisnes, O Quebra-Nozes e Coppelia. São balés com história e que encantam públicos de todas as idades, por isso a importância de serem montados com frequência - frisa Dalal. - Estou muito feliz com essa volta porque é uma oportunidade para as novas gerações assistirem a esta joia do repertório clássico como também para muitos bailarinos jovens, que estarão dançando este balé popular e queridíssimo de todos pela primeira vez - acrescentou.

Carla Camurati, presidente da Fundação Theatro Municipal do Rio de Janeiro, endossa a importância da montagem:  - Procuramos pautar a programação com obras representativas. E o balé Don Quixote é, sem dúvida, uma obra referencial do repertório clássico que precisa ser mostrada às novas gerações.

Hélio Bejani, diretor do Ballet do Municipal, entusiasma-se com a oportunidade em poder remontar o balé: - Alegria é o sentimento que dá o tom interpretativo desta obra e é também o que sinto em poder fazer parte deste momento especial no qual apresentaremos Don Quixote, que traz o Corpo de Baile de volta ao palco do Theatro Municipal dentro de sua principal característica, o clássico de repertório. Don Quixote nos possibilitou trazer para cena um diálogo harmonioso entre a juventude e a experiência, onde os bailarinos deslizam de suas próprias realidades e proporcionam ao espetáculo um equilíbrio técnico e artístico no ponto exato, para que o público se sinta verdadeiramente dentro da história, vivenciando os sonhos do cavaleiro errante.

O maestro titular da Orquestra do Municipal, Silvio Viegas, destaca a importância das mudanças na parte musical:  - A versão que trazemos ao palco do Theatro Municipal deste belíssimo balé Don Quixote mescla a música de Minkus com as zarzuelas, o que dá ainda mais um toque espanhol a este grande clássico da literatura mundial. Esta perfeita fusão acontece graças a uma brilhante orquestração de Patrick Flynn, que, ao reorquestrar a obra, conseguiu uma perfeita unidade de linguagens entre a obra de Minkus e as músicas espanholas.