Mostra seleciona obras raras e inéditas de artistas como Cruz-Diez

Julia Corson, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - O que Jesús Rafale Soto, Arcangelo Ianelli, Carlos Cruz-Diez, Vik Muniz, Luiz Dolino, Roberto Scorzelli e Luis Sacilotto têm em comum? À primeira vista, nada. Todos têm formas diferentes de se expressar artisticamente, mas com uma mesma característica: a qualidade. Este foi o vínculo encontrado pela galerista Eliana Benchimol para reunir algumas obras do acervo dos artistas em Diálogos, exposição que abre em sua própria galeria a partir desta terça-feira.

Meu principal objetivo é trazer o público para ver e descobrir qualidade conta a galerista. Muitos não conhecem, ou não tiveram acesso a esses artistas. As pessoas têm gostos diferentes, elas podem até não gostar de uma obra ou de um artista da exposição, mas com certeza vão reconhecer a qualidade. Isso é indiscutível.

A ideia da mostra veio de uma paixão antiga de Eliana pela arte cinética, especialidade de muitos dos artistas da mostra, como o venezuelano Cruz-Diez, mestre do gênero. Eliane já havia realizado exposições a partir dessa temática na SPArte, mas desta vez as peças seriam expostas em uma mostra coletiva, e não individual. Além da arte cinética, ela desenvolveu uma paixão nova pela fotografia.

Vik inédito

Com tantos artistas renomados que escolhi, quando quis incluir a fotografia pensei: Quem é o melhor artista que trabalha com fotografia na atualidade? Nem foi difícil responder esta pergunta. O Vik Muniz é o melhor, pelo menos na minha opinião arrisca Eliane.

De acordo com a galerista, as diferentes experiências de vida de cada um dos artista também só tem a acrescentar na exposição. Dentre as peças chaves estão várias inéditas no Rio, como as duas de Vik Muniz, um trabalho de sucata (Amor e psique), e outro de pigmentos, realizada a partir de uma obra do Matisse (Odalisque):

Procurei dar variedade na seleção das obras dos artistas. Além de peças inéditas, quis mostrar extremos, mostrar que eles têm trabalhos diferenciados e fases bem marcantes, às vezes até de décadas diferentes explica Eliana.

Entre os destaques da exposição, o público poderá conferir uma peça sem título de 1m X 1m em vermelho de Scorzelli (as obras do artista, que se dedica mais à arquitetura, são raras no mercado). Outra obra sem nome de Cruz-Diez levou 50 anos para ser concluída (entre 1950 e 2000).

Diolino também tem uma peça chave em Diálogos. Com quase dois metros, apresenta quatro módulos em um só. Aberta ao público e a compradores, a exposição é oportuna até para quem não entende de arte, segundo Eliane.

Organizar uma mostra assim não deixa de ser uma troca. O público ganha novos conhecimentos, e a gente ganha essa chance de apresentar um bom acervo de uma maneira mais pública.

Em cartaz

DIÁLOGOS

Espaço Eliana Benchimol, Shopping Cassino Atlântico. Av. Atlântica, 4240 loja 203, Copacabana. (2513-3307). Abertura terça-feira às 19h. Entrada franca. Até 15 de setembro.