Julia Roberts e sua identificação com personagem de Comer, rezar, amar

Paula Bustamante, Agência AFP

NAPA VALLEY, EUA - Julia Roberts volta às telas com o filme Comer, rezar, amar, onde interpreta uma mulher que tenta encontrar seu lugar mundo, um personagem com o qual, segundo a estrela, se identificou muito. Com 42 anos, a atriz falou sobre a adaptação do best-seller de Elizabeth Gilbert, que chega aos cinemas americanos na próxima sexta-feira no Brasil a estreia está prevista para 1º de outubro.

Já havia lido o livro antes que ficasse tão popular, e quando passei das 30 páginas, pensei que era tão fantástico que fui até a Amazon.com para comprar um exemplar para minha melhor amiga em Chicago lembrou a vencedora do Oscar de Melhor Atriz em Erin Brockovich (2000).

Como no livro, o filme mostra a autora, que decide romper com sua vida bem-sucedida, ao sentir-se perdida e confusa em relação a seus desejos pessoais no momento em que avaliava a possibilidade de ter filhos. Ao ser indagada por que se sentia tão identificada com um personagem em crise, Julia Roberts explicou que já passou pelo mesmo tipo de busca, mas não de uma forma tão urgente como a experimentada pela autora.

Sabia com certeza que a minha vida ia continuar evoluindo até que encontrei esse lugar para ocupar e viver, que é o lar que tenho agora destaca a atriz, em referência à família que construiu com o cinegrafista Daniel Moder, com quem teve os gêmeos Hazel y Phinnaeus, e Henry Daniel.

O elenco do filme conta com atores famosos como Javier Bardem, James Franco, Billy Crudup e Viola Davis, e tem direção de Ryan Murphy, criador das bem-sucedidas séries Nip/Tuck e Glee. Julia Roberts ficou animada por conhecer Liz Gilbert durante as filmagens em Roma.

Não quis conhecê-la antes porque sabia que Ryan e ela estavam em constante comunicação explica a atriz. Também fiquei preocupada em me apaixonar por ela, e acabar querendo ser ela ao invés de interpretá-la como atriz.

Tanto no livro como no filme, a protagonista é surpreendida pelo amor de um brasileiro super-sensível interpretado por Bardem, que teve a oportunidade de conhecer verdadeiro Felipe, nome de seu personagem. O ator espanhol contou que leu o livro quando lhe ofereceram o roteiro e que gostou da história.

Há passagens muito interessantes. Não acho que seja um livro apenas para mulheres, é um livro para todo mundo observou o ator, que não poupa elogios à sua companheira de cena.

A atriz, por sua vez, confessou que ficou com um pouco de medo ao trabalhar com Bardem depois de vê-lo tão aterrorizante em Onde os fracos não têm vez, mas acabou descobrindo que ele é uma pessoa encantadora e doce .

É um cachorrinho cheio de energia diverte-se a estrela.