Defensoria Pública do Estado lança edital para 750 vagas

JB Online

RIO - A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro acaba de lançar edital para o preenchimento de 350 vagas para o cargo de técnico superior jurídico (18 para portadores de deficiência), para candidatos portadores de diploma em direito, e 400 vagas para técnico médio de Defensoria Pública (20 para portadores de deficiência), para candidatos com ensino médio completo na data da convocação. Os salários iniciais são, respectivamente, de R$ 2.942,23 e de R$ 2.389,32.

A banca examinadora é o Centro de Produção da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Cepuerj). As datas das provas e o conteúdo programático já haviam sido divulgados antes da publicação do edital. A prova de nível superior ocorrerá dia 10 de outubro e a de nível médio no dia 12 de outubro, ambas às 9h e com cinco horas de duração.

O candidato para ser classificado não pode zerar nenhuma disciplina e ter uma pontuação total superior a 70 pontos, o que equivale a 70% da prova, já que é composta por 100 questões, valendo um ponto cada. Com essas características, o peso de cada disciplina na prova é proporcional ao número de questões. Isso facilita a organização do estudo dos candidatos , afirma Paulo Estrella, diretor pedagógico da Academia do Concurso.

Segundo ele, outra característica da prova é o peso dado às disciplinas. No cargo de nível superior, a disciplina de português é a que tem um peso maior, valendo 16% da prova, e cada uma das outras disciplinas vale 12% da nota final da prova. O mesmo ocorre para o cargo de nível médio: português vale 25% do total de pontos da prova e todas as outras disciplinas valem 15% cada uma. Isso faz com que o candidato possa distribuir o tempo de estudo igualmente para cada disciplina ou priorizar um pouco mais português e as disciplinas em que tiver mais dificuldade , explica.

No entanto, Paulo Estrella avisa que é recomendável deixar um tempo maior para português, pois, além de valer um pouco mais, é a disciplina mais importante nos critérios de desempate . No caso de empate, quem tiver a maior nota de português estará na frente nesses critérios , afirma.

Uma boa notícia para os candidatos, segundo o especialista, é que a banca tem como procedimento padrão divulgar a bibliografia sugerida para cada uma das disciplinas e nesse edital não foi diferente, podendo o candidato encontrar as bases teóricas da prova. Por outro lado, Estrella adverte que o candidato terá dificuldade em obter provas anteriores porque a banca não publica provas já aplicadas.

Para os candidatos que já estão caminhando nos estudos, a sugestão é buscar questões da Fundação Carlos Chagas, Fundação Cesgranrio e FunRio. As provas têm alguma semelhança e costumam trabalhar com um nível de dificuldade médio. Os enunciados do Cepuerj são normalmente curtos e de fácil interpretação. O candidato não encontrará uma prova muito complexa. Em compensação, a concorrência, a relação candidato-vaga, deve ser relativamente alta. De qualquer forma, o pressuposto básico dos concursos públicos será mantido, ou seja, os melhores preparados passarão; o risco é usar muito os critérios de desempate. É por causa desse risco que sugeri um cuidado especial com a disciplina de português , alerta.

De acordo com Estrella, uma questão marcada errada também terá um peso maior no ranking final, já que provavelmente haverá um grande quantidade de candidatos empatados nas primeiras colocações. Os candidatos que já vêm estudando para concursos de nível médio necessitam apenas fazer um ajuste nos estudos. As disciplinas de português, direito constitucional, direito administrativo e informática são comuns a outros concursos. Será necessário complementar essas disciplinas, observando o conteúdo do edital, e se concentrar em teoria geral do processo e legislação específica, que tem um pouco de previdência estadual, para se preparar para esse concurso. Esses candidatos saem na frente , explica.

Um ponto controverso do edital, na avaliação do especialista, é a taxa de recurso.