Record vai mostrar o outro lado da Copa na África do Sul

Paulo Ricardo Moreira , Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - A Record, que se autointitula a emissora oficial do esporte olímpico no Brasil , foi barrada na Copa do Mundo da África do Sul. Mas o canal já tem um projeto para acompanhar o maior evento esportivo deste ano: chama-se Outro lado da Copa . Sem os direitos de transmissão dos jogos exclusividade da Globo e da Band na TV aberta , a emissora paulista aposta numa ampla cobertura jornalística, mostrando os bastidores da competição.

Os programas jornalísticos da Record e do canal pago Record News vão ter blocos especiais dedicados à Copa, com entradas ao vivo, diretamente da África do Sul. Serão produzidos boletins e reportagens exclusivas sobre o dia a dia da competição. Apresentado por Mylena Ciribelli aos sábados, o Esporte fantástico também vai abrir espaço para mostrar detalhes do evento e curiosidades das 32 seleções.

A equipe da emissora vai contar com 28 profissionais na África do Sul. Além Mylena Ciribelli, farão parte do grupo os repórteres Roberto Thomé, Adriana Bittar e Rodrigo Vianna, e o correspondente Luiz Fara Monteiro.

Durante os mais de 40 dias de cobertura, eles vão registrar tudo o que estiver acontecendo fora dos campos, além de dar informações sobre a seleção brasileira, claro! Também não vão faltar notícias das outras 31 seleções que brigam pelo título e os resultados dos jogos. Mas o foco mesmo é revelar os bastidores e as curiosidades do país-sede do mundial de futebol.

Vamos mostrar o que de fato acontece nos bastidores, sempre com precisão jornalística, isenção editorial e uma pitada de humor garante Sergio Hilinsky, coordenador de esportes da emissora.

Mylena Ciribelli endossa as palavras de Hilinsky:

Seremos verdadeiros detetives na África. Vamos descobrir curiosidades, costumes locais, retratando com a maior veracidade possível o que acontece fora dos estádios.

A emissora afirma ter interesse em transmitir os principais eventos esportivos do mundo. Porém, o fato é que, além da Copa na África do Sul, ela ainda não tem os direitos de exibição das Copas de 2014 e 2018. Por outro lado, já detém a exclusividade na transmissão dos Jogos Olímpicos de 2012 (Londres), Pan-americanos de 2011 (Guadalajara) e 2015 (Toronto), além dos direitos compartilhados dos Jogos de Inverno de 2014 (Sochi) e das Olimpíadas de 2016 no Rio