Javier Bardem salva o filme de Iñárritu em Cannes

Agência AFP

CANNES - O filme "Biutiful", do mexicano Alejandro González Iñárritu, provocou opiniões divergentes nesta segunda-feira em Cannes, mas a atuação do espanhol Javier Bardem foi aplaudida por toda a crítica.

"Nunca vi ninguém investir tanto de si em um personagem", afirmou o cineasta mexicano, após a exibição para a imprensa do filme, o primeiro que roda sem a colaboração do roteirista Guillermo Arriaga.

"Biutiful", único filme de um país da América Latina a disputar a Palma de Ouro no 63º Festival de Cinema de Cannes, mostra a intensa viagem interior de Uxbal, personagem de Bardem.

"Javier pode com coisas mínimas transmitir a complexidade do personagem, e isto exige muito talento", destacou González Iñárritu, que impactou a Croisette há 10 anos com "Amores Brutos", premiado na Semana da Crítica, uma das mostras paralelas de Cannes.

Ele disse que a viagem de Uxbal é muito intensa. "É uma navegação delicada, e Bardem o interpreta com notas muito sutis", acrescentou o diretor, que disse na entrevista coletiva nunca ter ficado tão satisfeito com um filme como está com este.

"É o primeiro filme que fiz com o qual me sinto totalmente satisfeito. Este é o primeiro filme que tem um novo significado para mim", declarou.

Ao ser questionado sobre como se sentia com o controle total de "Biutiful" (nas três obras anteriores, "Amores Brutos", "21 Gramas" e "Babel", contou com a colaboração de Arriaga), respondeu que teve o "controle total" de todos os seus filmes.

"Sempre tive total controle de todos os meus filmes. E este não foi diferente de minhas outras experiências", destacou Iñárritu, que filmou em Barcelona.

"Foi um desafio: foi tudo o que nunca havia feito, mas ao mesmo tempo tudo o que havia feito antes, tratando dos mesmos temas que são minha obsessão".

Bardem devolveu ao mexicano os elogios recebidos na coletiva. "Alejandro é um dos maiores diretores de todos os tempos", disse o protagonista de "Biutiful", que será exibido na noite de segunda-feira no Palácio dos Festivais.

O espanhol, vencedor do Oscar de ator coadjuvante ano passado por "Onde os Fracos Não Têm Vez", dos irmãs Joel e Ethan Coen, relatou como foi trabalhar com González Iñárritu.

"O processo foi muito intenso, mas recompensa trabalhar com alguém com quem o ator pode crescer", disse.