Versão de telenovela da Globo abre hoje o Cine PE

Carlos Helí de Almeida, Jornal do Brasil

RECIFE - A 14ª edição do Cine PE Festival do Audiovisual, começa nesta segunda-feira à noite, no Cine Teatro Guararapes, homenageando um nativo: Guel Arraes. Além do justo tributo, o diretor recifense apresentará, fora de concurso, o seu mais recente longa-metragem, o aguardado O bem amado, versão para o cinema da peça homônima de Dias Gomes, traduzida como telenovela pela Rede Globo na década de 1970. Protagonista do filme, o ator Marco Nanini, outra prata da casa, é uma das personalidades que contribuirão para o brilho da maratona, que se encerra dia 2.

A disputa pelo troféu Calunga de melhor filme é composta por seis títulos. Apenas três são totalmente inéditos no circuito no circuito comercial ou de festivais nacionais: Léo e Bia (RJ), adaptação da peça musical homônima que marca a estreia de seu autor, o músico Oswaldo Montenegro, na direção; Não se pode viver de amor (RJ), de Jorge Durán (É proibido proibir), com Cauã Reymond, ngelo Antônio e Simone Spoladore no elenco, e que teve première no Festival de Guardalajara (México) em março; e o documentário Cinema de guerrilha (SP), de Evaldo Mocarzel.

Première de 'Quincas'

Os outros três não circularam pelas telas brasileiras. O homem mau dorme bem (DF), de Geraldo Moraes, por exemplo, chegou a ganhar o Kikito de ator coadjuvante (Bruno Torres) do Festival de Brasília do ano passado. As melhores coisas do mundo (SP), de Laís Bodanzky, já está em cartaz nas capitais do Sudeste o Cine PE servirá de plataforma de lançamento do longa-metragem naquele estado. O documentário Sequestro, de Wolney Atalla, sobre as investigações da Divisão Antissequestro de São Paulo, passou na Mostra de São Paulo de 2009.

Além de O bem amado, há uma outra atração fora de concurso reforça a seleção desse ano, que promete redimir a mostra pernambucana de suas duas últimas edições, duramente criticadas pela fragilidade do conjunto de filmes: Quincas Berro D'Água (RJ), de Sérgio Machado. A produção conta com o brilho de Paulo José e Flávio Bauraqui, que prestigiarão a première de luxo do filme, que só chega aos cinemas em 14 de maio. Homenageados pelo festival, Tony Ramos e Julia Lemmertz também são presenças confirmadas. O Cine São Luiz, recém-restaurado, abrigará a exibição do documentário Continuação (RJ), de Rodrigo Pinto, sobre o músico pernambucano Lenine, encerrará os trabalhos do festival, antes da cerimônia de premiação.