Comandado por Wagner Tiso, o projeto MPB & Jazz celebra Dolores Duran

Pedro Schprejer, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Wagner Tiso e os integrantes da Orquestra Petrobrás Sinfônica retornam quinta-feira aos palcos do Canecão para a sétima edição da série MPB & Jazz. O concerto contará com as regências de Tiso e do maestro Carlos Prazeres, além da participação dos cantores Zélia Duncan, Emilio Santiago e Mariana Aydar. Os solistas convidados irão interpretar canções de Dolores Duran, artista homenageada no show.

Dolores, que morreu em 1959, com apenas 29 anos, estaria completando 80 anos em 2010. Para Tiso, a artista foi uma pioneira, que representou uma mudança no cenário musical brasileiro, dominado por compositores do sexo masculino.

Dolores foi a primeira grande compositora de música popular, além de ser uma intérprete maravilhosa de samba-canção, baião, música americana e latina destaca Tiso. Era também uma maravilhosa improvisadora. Depois dela, surgiram outras compositoras.

Arranjos de Bia Paes Leme

A compositora de clássicos como Estrada do sol, em parceria com Tom Jobim, e A noite do meu bem é a primeira mulher a ser homenageada pelo projeto MPB & Jazz. Quem for ao concerto pode esperar um leque de canções que foram imortalizadas na voz de Dolores. Tiso escreveu metade dos arranjos do repertório que será apresentado quinta-feira. O resto ficou a cargo de músicos por ele selecionados. Aproveitando o ensejo de homenagear uma mulher, Bia Paes Leme será a primeira arranjadora convidada. Amante do samba-canção, Tiso se inspirou nos profissionais que eternizaram o estilo:

Há os grandes arranjadores da Radio Nacional. Há o próprio Tom Jobim, o Radamés Gnattali. O samba-canção é a marca de uma época.

Fiel à proposta de reunir a canção popular à música de concerto, o MPB & Jazz já homenageou compositores como Edu Lobo, Noel Rosa e Ataulfo Alves. Tiso já está pensando na oitava edição do projeto, que vai lembrar a obra de Nelson Cavaquinho.