NYFW: Estilistas iniciantes fazem corrida criativa até os holofotes

Franz Valla*, Jornal do Brasil

NOVA YORK - Os holofotes e a atenção da mídia especializada apontam para as tendas armadas no Bryant Park, mas uma nova geração de estilistas tem feito barulho durante a Mercedes-Benz New York Fashion Week ao programar suas apresentações em espaços alternativos, ao largo do evento principal, numa tentativa modesta (e criativa) de atrair o maior número possível de pessoas interessadas em conhecer seus trabalhos. Nesta corrida para se conseguir alguma exposição, a estilista Elene Cassis desponta como uma agradável promessa. A jovem nova-iorquina organizou uma apresentação em uma suíte do Bryant Park Hotel, bem à frente das tendas, no dia da abertura dos desfiles com duração de meio-dia até meia-noite.

Ela mal se formou em fashion design pela prestigiosa Parsons de Nova York, em maio do ano passado, e já abriu sua etiqueta em julho. Pela primeira vez, apresenta uma coleção que chama atenção pela simplicidade. São minivestidos bem ajustados ao corpo e com belas estampas grafico-geométricas. Seu carro chefe é o popular vestidinho preto básico que ela manipula em várias versões uma produção que nos remete aos vestidos curtos dos anos 70. É a a simplicidade do design que promete não somente voltar aos holofotes, mas influenciar um revival da tendência.

Ela já está, mesmo com tão pouco tempo no mercado, em evidência porque a apresentadora Olivia Jones, do canal de televisão E!, usou um de seus vestidos durante a apresentação recente dos prêmios Grammy.

Outra surpresa nesta arena foi a apresentação do trabalho de outra nova-iorquina: a estilista Magalis Garcia, que nasceu em Porto Rico mas, criada no conservador e afluente estado de Connecticut, apresentou uma glamourosa coleção de vestidos para a noite com muito uso de tecidos de cetim e de seda.

A crítica de moda especializada se empolgou pelo fato de que os vestidos

de Magalis têm a mágica

de vestir bem qualquer

mulher, não importando o quanto seu corpo esteja fora de forma.

Para complementar, Nicolas Clements-Lindsey, um texano no mundo da alta-costura, tambem faz uso pesado do cetim na confecção de seus vestidos e apresentou peças que nos remetem à elegância dos anos 40, claramente inspiradas em Oscar de La Renta, que ele inclusive cita como uma de suas influências. O estilista já foi atleta e músico, mas decidiu se tornar estilista ao assistir a um desfile da marca Chanel em Paris, quando era estudante em 2004.

Em comum, esses novos estilistas, que conquistaram espaço num mercado tão competitivo, têm o fato de agradecerem e receberem suas inspirações de seus pais. Elene Cassis faz questão de deixar isso claro em seu próprio website e explica:

Meu pai morreu num acidente alguns anos atrás justamente num momento em que eu procurava me encontrar numa carreira escreveu, nostálgica. Enquanto assistia a um programa de Martha Stewart, decidi a virar estilista e dedico toda minha coleção a ele que, se estivesse vivo, me daria força para perseguir esta carreira.

Magalis lembra da mãe na hora de criar novos vestidos.

A primeira coisa em que penso é na minha mãe, uma pessoa que sempre foi muito elegante e que sempre se sentiu atraída pela alta moda. diz. Penso sempre nela e como estes vestidos cairiam em seu corpo.

A mãe de Nicholas estava presente em seu desfile, sentada na primeira fila da passarela. O estilista não se

refere a ela diretamente como uma fonte de inspiração mas agradece a ela o apoio em uma carreira decididamente pouco usual para um jovem texano:

Não é tão fácil nascer numa area extremamente árida, como Culver City, no Texas, e acabar criando pecas tão delicadas para o mundo da moda, mas o apoio da minha mãe foi essencial quando abracei esta carreira explicou. Sei que esta não era a primeira carreira que ela pretendia para mim mas se eu deixar minha marca no mundo da moda vou deixá-la ela muito orgulhosa.

* Especial para o Jornal do Brasil,

de NOva York