Tony Sheridan diz que Beatles ficaram limpinhos demais

Alex Cavalcanti, Portal Terra

VITÓRIA - "Eles eram a melhor banda de R&B da Europa, com seus casacos de couro e jeans sujos, e de repente se tornaram aquela banda tão "clean", cantando Love me do".

A polêmica afirmação é do guitarrista inglês Tony Sheridan, que está em Vitória - ES para duas apresentações no fim de semana. Mas não se deve interpretar a afirmação como uma crítica e a explicação veio na frase seguinte: "Eles também odiavam fazer aquilo, mas não estavam errado. Estavam apenas esperando o momento certo para fazer as coisas do fantástico jeito deles", completou Sheridan.

O músico, que completa 70 anos em 2010, está no Brasil para duas apresentações com a banda capixaba clube Big Beatles, no sábado, na casa Spirito Jazz, e no domingo, em show gratuito na Praia de Camburi. Sheridan é apontado por especialistas como o responsável por lançar os Beatles no mundo dos discos.

Durante a coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira, Tony Sheridan resgatou histórias do cenário europeu durante o pós-guerra. Tony, que atualmente mora em Hamburgo, Alemanha, afirma que foi o rock'n roll que moldou os destinos daquela geração e que, olhando para trás, não vê como as coisas poderiam ser diferentes.

A história do guitarrista se mistura à do quarteto inglês no momento em que ele, músico já conhecido na Europa, convida o grupo de Liverpool para ser sua banda de apoio em alguma apresentações nos anos 50, em Hamburgo. "Nós fazíamos um som bem rústico, puro R&B e rock", afirma. Quando o quarteto decidiu voltar para Liverpool e lançou Love me do, a mudança não foi bem recebida pelos antigos colegas. "Nós achamos aquilo uma droga. Só pensávamos: meu Deus, como podem fazer essa porcaria?", conta Sheridan, entre gargalhadas. Questionado sobre os motivos que o levaram a não continuar com os Beatles e se tinha algum arrependimento, Sheridan foi enfático: "sou apenas um músico e tudo que quero é viajar o mundo e curtir a vida. Fama e dinheiro nunca foram importantes para mim".

A coletiva contou com a pariticipação ainda de Ray Johnson, produtor executivo do internacional Beatle Week, o Festival dos Beatles que acontece há 26 anos em Liverpool. Johnson é também o gerente geral do lendário Cavern Club, local onde os Beatles começaram a tocar. Jonhson elogiou a estrutura montada para o show em Vitória e o trabalho da banca Clube Big Beatles. "Vejo que as bandas no Brasil têm uma competição muito grande. A melhor disso, a melhor daquilo. A melhor do Rio, a melhor de São Paulo. Parece futebol", declarou.

"Quando convidamos a Club Big Beatles para tocar em Liverpool, e eles já estiveram lá 15 vezes consecutivas, temos certeza que qualquer desafio proposto será cumprido. Em todos esse anos, eu nunca vi a banda repetir uma apresentação ou set list. Eles estão sempre inovando e fazem isso quietos, concentrado, preocupados antes de tudo com a qualidade do que é oferecido ao festival", afirmou Johnson.

O executivo também revelou o teor de uma conversa que teve com Allan Williams, primeiro empresário dos Beatles (que desistiu da banda antes dela se tornar um sucesso mundial), que também tinha sido convidado para as apresentações em Vitória. "Eu disse, Alan, você está fazendo uma burrice em não ir comigo ao Brasil. E ele respondeu: 'venho fazendo burrices há 60 anos. Foi por isso que perdi a banda', contou Ray Johnson.

Para o show que acontecerá na praia de Camburi, Tony Sheridan e o Club Big Beatles terão ainda a companhia de 40 músicos da Banda da Polícia Militar do Espírito Santo, reproduzindo parte do show que foi apresentado na última edição da Beatle Week. "Esse é um grande show, com a participação especial da Banda da Polícia Militar e um público previsto dm cerca de 15 mil pessoas. E tenho certeza que vocês vão poder se encantar com a versão do Tony para Yesterday que é absolutamente fantástica", afirmou Edu Henning, percussionista e fundador da banda Club Big Beatles.