Cineport eleva status de João Pessoa

Bolívar Torres, Jornal do Brasil

JOÃO PESSOA - Um incentivo para a produção audiovisual paraibana. Este é o sentimento que ficou ao fim do 4º Cineport, Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa, que se encerrou neste sábado em João Pessoa. Desde que foi definida como sede oficial do evento, a cidade vem ganhando força para se afirmar como um pólo do cinema nacional. Em 2009, uma nova categoria se somou às demais troféus, o Prêmio Energisa de Estímulo ao Audiovisual Paraibano, que concedeu R$ 20 mil ao melhor curta produzido no estado. Vencedor este ano com o filme Terra erma, o jovem cineasta Helton Paulino, de 26 anos, vai poder finalizar um novo projeto graças ao incentivo.

Mais do que um estímulo emocional, é uma ajuda financeira que permite manter a produção de um estado que normalmente não consegue captar muitos recursos em leis de incentivo exalta Paulino, que vai agora filmar um road-movie nas estradas paraibanas, ainda sem título.

Seu filme Terra erma mostra um homem aparentemente depressivo, que o diretor define como uma esponja de sentimentos : passa seus dias na rodoviária, assistindo aos encontros e despedidas de quem embarca e desembarca. O personagem incapaz de experimentar laços afetivos, e que se contenta em se comportar como um voyeur dos sentimentos alheios, encantou o júri formado por António Loja Neves, crítico e jornalista de Portugal; Elza Cataldo, cineasta mineira; e pelo ator brasileiro Jayme Del Cueto.


Foto: Cristina Granato

Outro jovem cineasta local a competir na mostra, Ismael Monteiro Farias, de apenas 19 anos, se destacou com o elogiado Tem bicho no meio do caminho, resultado de uma experiência realizada em uma aula do ensino médio, curso que acaba de completar.

O professor sugeriu a elaboração de um vídeo que concretizasse a interpretação dos alunos sobre algum poema do Modernismo Brasileiro. Com uma filmadora digital, Farias dirigiu um vídeo de 10 minutos sobre dois poemas clássicos da literatura brasileira: O Bicho, de Manuel Bandeira, e No meio do caminho, de Carlos Drummond de Andrade, e que mostra as dificuldades de uma mãe em meio à pobreza da região.

Este ano, Farias também participou de uma oficina de audiovisual promovida pelo festival, que desenvolveu uma rede de cooperação entre jovens cineastas de países de língua portuguesa.

Participei do festival passado graças à ajuda do cineasta Carlos Dahl, Presidente da Associação Brasileira de Documentaristas, que me conheceu na ONG Comunidade de Boas Práticas e expandiu meus horizontes conta Farias. O Cineport abre caminhos para quem quer fazer cinema na Paraíba. As pessoas se encontram e elaboram projetos juntos.

Homenageado este ano, o diretor paraibano Wladimir Carvalho, maior referência do cinema em seu estado, acredita que o festival mudou a cara do cenário do cinematográfico local.

Desde que o Cineport passou por aqui, posso dizer com toda segurança que houve um enorme salto de qualidade explica. Evoluiu a maneira como a rapaziada mais nova está encarando o cinema e como cada vez mais se discutem questões complexas. Eu, que sempre me entendi muito bem com a geração que veio depois da minha, comecei a me dar conta de que há agora uma geração ainda mais nova.

Carvalho cita o grupo Las Luzineides, que ganhou uma mostra especial no Cineport este ano, em homenagem aos 11 anos do grupo. O coletivo, composto pelas cineastas e videomakers Liúba de Medeiros, Ana Bárbara, Katiúscia Furtado, entre outros, aproveitou para promover sua convenção mundial . Na verdade, uma brincadeira digna do espírito irreverente das Luzineides, que vão muito além do audiovisual propriamente dito: mistura também a cultura do fanzine, shows musicais e performances experimentais.

O público se aglomerou dentro e fora da tenda digital, onde foram exibidos os 13 filmes do coletivo. formando filas extensas. Este ano, deve sair um DVD com toda a sua produção, desde 1998.

Foi muito positivo receber o apoio do festival avalia a luzineide Liúbia de Medeiros. É importante que não haja apenas produções de fora e que os filmes locais também sejam incluídos. Houve um encontro entre os cineastas paraibanos para avaliar como aumentar essa integração entre a Paraíba e o festival.