Angra fala sobre a volta aos palcos

Osmar Portilho, Portal Terra

SÃO PAULO - Dois grandes expoentes da música brasileira no exterior subirão ao palco do Via Funchal, em São Paulo, neste sábado. Em entrevista ao Terra, o guitarrista Rafael Bittencourt falou sobre o projeto com a banda liderada por Andreas Kisser, o Sepultura, e sobre a cena do metal brasileiro em geral.

Grupos consagrados no Brasil e referência no exterior, Sepultura e Angra tocam em um gênero parecido, mas que sofre com uma diversa segmentação em outros sub-estilos, dividindo vários fãs e causando certa desunião neste movimento.

- É desunido por falta de eventos que unam, falta de mídia, falta de coisas especializadas. Hoje em dia temos poucas revistas, programas de rádios, etc. Faltam eventos pra transformar o heavy metal em um ponto de encontro pra unir toda a cena - explica.

Confira a entrevista na íntegra:

Como que aconteceu esse contato entre Angra e Sepultura e a idéia de fazer essa turnê juntos?

Foi um momento em que as idéias se casaram. A gente está voltando ao palco depois de quase dois anos fora e eles estão lançando o CD novo deles e veio essa idéia da turnê junto. Além de serem duas das bandas mais importantes do Brasil no cenário internacional, a gente está fortalecendo a cena heavy metal tentando agregar e unir esses vários segmentos do estilo no Brasil.

Em outras épocas rolaram festivais como o Sepulfest que reuniram vários grupos diferentes dentro do gênero. O que você acha que falta para que aconteça uma união maios entre os estilos dentro do metal?

O metal é desunido, mas não por culpa das bandas e nem nada. É desunido por falta de eventos que unam, falta de mídia, falta de coisas especializadas. Hoje em dia temos poucas revistas, programas de rádios, etc. Faltam eventos pra transformar o heavy metal em um ponto de encontro pra unir toda a cena, todo o movimento.

Vocês estão sem tocar ao vivo há dois anos, como estão se preparando para este retorno?

Estamos ensaiando bastante para entrosar de novo e montamos um repertório com músicas de toda a carreira do Angra contando toda a história. É uma celebração de volta aos palcos contando a história da banda.

Angra e Sepultura vão subir ao palco juntos em alguma destas oportunidades?

Não combinamos nada, mas acho interessante. Seria a cereja do bolo fazer uma jam com eles. Tocar um Metallica, algo que tenha influenciado as duas bandas e tenha significado para os dois grupos, ainda que em diferentes estilos. Acho que o Metallica seria um ponto em comum.

Cada grupo geralmente tem sua porção de fãs fiéis. Mesmo com essa desunião no âmbito geral, por que você acha que o fã de metal é fiel durante toda sua vida?

O heavy metal tem essa coisa, os fãs são muito fiéis. Ele tem sobrevivido a tantos modismos. Quando o grunge veio, depois o meio alternativo, pop gótico e várias modas vêm e vão embora. O heavy metal continua estável acho que principalmente pela relação que os fãs têm com uma música. Muitos deles estão aprendendo a tocar um instrumento e são movidos pela energia e pela música em si. A relação do fã que tem com a música é uma coisa duradoura e não tem moda, essa linguagem fala com elementos muito mais subjetivos.