Festival Villa-Lobos apresenta obra rara do maestro

JB Online

RIO - O 46º Festival Villa-Lobos terá como ponto de partida uma obra raramente ouvida no Rio de Janeiro: a missa em forma de concerto Vidapura, de Heitor Villa-Lobos. Ela será executada na Sala Cecília Meirelles, na próxima segunda-feira, dia que marca o 49º aniversario do falecimento do maestro). A apresentação começa às 19h, com regência de Roberto Duarte à frente da Orquestra Sinfônica da UFRJ e o coro Sinfônico da UFRJ, que tem a direção de Maria Jose Chevitarese, Sergio Pires e Valéria Matos.

A partir daí, a sede do Festival passa a ser o próprio Museu Villa-Lobos, na rua Sorocaba, 200, em Botafogo.

Confira a programação:

No dia 18, às 20h - O pianista Marcelo Verzoni abordará o tema 'Villa-Lobos e autores contemporâneos'. O programa vai trazer, além de Villa-Lobos, Edino Krieger, Camargo Guarnieri, Radames Gnattali e Osvaldo Lacerda.

Dia 19, às 20h - A violonista Maria Haro homenageia os 80 anos do compositor Nicanor Teixeira, e traz também obras de Villa-Lobos, Edino Krieger e Rick Ventura.

Dia 20, às 20h - O Trio de Palhetas, composto por Eliezer Santos (oboé), Moises Santos (clarineta), Juliano Barbosa (fagote) e a participação de Eugenio Ranevsky (flauta), destacam os compositores Franceses Jacques Ibert, Darius Milhaud, ao lado de Pixinguinha e Villa-Lobos.

Dia 21, às 20h - A pianista Rebecca Castro mostrará a obra de Villa-Lobos em seu instrumento.

Dia 22, às 17h - A Orquestra Popular Céu na Terra apresenta o tema Villa-Lobos e as danças brasileiras.

Os ingressos custam apenas R$ 2. Em caso de chuva, os espetáculos do dia 22 poderá ser cancelado.