Violência conjugal é o tema do filme 'Pelos meus olhos'

Marco Antonio Barbosa, JB Online

RIO - O drama silencioso da violência conjugal é o tema de Pelos meus olhos, filme da atriz-tornada-diretora Icíar Bollaín, que venceu (em 2003) sete prêmios Goya, o Oscar espanhol. O tema é clichê e a diretora não parece disposta a grandes ousadias na encenação ou na narrativa.

Para ela, bastam as (boas) atuações e a exposição sóbria das situações e dos personagens o suficiente para um filme digno, mas não particularmente marcante. Ao menos, mantém-se a compostura no tom, sem descambar para a choradeira.

O que se destaca no longa é o retrato do típico machão latino encarnado por Luis Tosar (visto em Segunda-feira ao sol e Sem notícias de Deus).

Crendo-se literalmente dono do corpo e da alma da mulher Pilar (Laia Marull), o tosco maridão Antonio desconta as frustrações pessoais e profissionais na companheira. Graças à dobradinha dos dois atores, forma-se um casal crível e cheio de uma complexidade bastante palpável.