'Corrida Mortal' imagina futuro sombrio nos EUA

REUTERS

SÃO PAULO - A se julgar por Corrida Mortal, o futuro não parece muito promissor para os Estados Unidos, independente de quem ganhar as próximas eleições presidenciais. A trama se passa em 2012, quando a economia norte-americana entrou em colapso e as taxas de desemprego e crimes aumentaram. O filme estréia em circuito nacional nesse fim de semana.

Em meio a esse caos, as grandes corporações assumiram a administração de penitenciárias e lucram com lutas entre presidiários. O mais violento desses espetáculos é conhecido como Corrida Mortal, e acontece em Terminal Island. O local é administrado por Hennessey (Joan Allen, de O Ultimato Bourne), que enfrenta uma crise depois de perder na pista um dos principais competidores, conhecido como Frankenstein.

Visando aumentar a audiência, ela traz para arena um novo piloto: Jensen Ames (Jason Statham, de Efeito Dominó). Ele foi condenado por um assassinato, mas se conseguir ganhar a corrida de três dias receberá em troca sua liberdade. Se perder, morrerá, pois apenas um competidor sobrevive à corrida mortal.

Para se proteger, Ames deverá usar a máscara de metal de Frankenstein e seu carro, um Mustang V8 Fastback, que é super-equipado com armas, bombas e lança-chamas. Seu treinador é vivido por Ian McShane (A Bússola de Ouro) e sua equipe inclui Gummer (Jacob Vargas, de Bobby) e List (Fred Koehler, de Dominó - A Caçadora de Recompensas).

O maior adversário de Ames é Joe Metralhadora, que matou Frankenstein e é interpretado por Tyrese Gibson (Transformers).

Corrida Mortal é uma atualização de Corrida da Morte - Ano 2000, de Paul Bartel, com produção de Roger Corman, e adapta para os tempos atuais a paranóia mostrada no filme de 1975, agora colocando como foco os reality shows.

A direção é de Paul W.S. Anderson, diretor de filmes como Resident Evil e Alien VS Predador, e que em seus filmes tem trabalhado com futuros sombrios, combinando elementos de ação e ficção científica.

Aqui, o excesso de cenas de ação dilui o potencial do tema e da crítica que Corrida Mortal aparentemente se propõe fazer da sociedade contemporânea.