Boas interpretações salvam o filme 'Mulheres - o Sexo Forte'

Isabel Wilker, JB Online

RIO - Diane English assina o roteiro e a direção deste remake de The women (no original) de 1939. Um filme sobre mulheres, estrelado por mulheres e só mulheres, não há um homem em cena, nem mesmo entre figurantes desperta certa curiosidade.

O elenco, que conta com Meg Ryan e Annette Bening (do filme Beleza Americana), também gera expectativa, mas o fato é que Mulheres - o Sexo Forte cai numa fórmula cansativa.

A história, que fala de uma mulher que após ser traída pelo marido amadurece e se transforma, é simpática, mas bobinha. Os eternos temas femininos (casamento, traição, separação, amizade, filhos, obsessão com a juventude e a beleza, trabalho, sociedade, compras, fofocas etc...) aparecem todos.

E acabam sendo tratados de forma superficial. O longa tem boas interpretações e tiradas espertas sobre o chamado sexo frágil, mas as mulheres de verdade são certamente mais interessantes.