Godard desiste de festival em Israel após pedido de palestinos

REUTERS

JERUSALÉM - O cineasta francês Jean-Luc Godard desistiu de comparecer a um festival de cinema em Tel Aviv após um grupo palestino pedir para ele boicotar Israel.

Godard, um dos fundadores do movimento cinematográfico conhecido como Nouvelle Vague, na década de 1960, cancelou a viagem ao Festival Internacional de Cinema Estudantil, citando 'circunstâncias além de seu controle', disseram os organizadores do festival.

Na semana passada, a Campanha Palestina pelo Boicote Acadêmico e Cultural de Israel pediu, em uma carta aberta a Godard, que assumisse uma 'posição corajosa' e cancelasse sua viagem a Israel.

- Você foi a um festival de cinema africano durante o apartheid na África do Sul? Por que Israel, então? - dizia a carta, intitulada 'O Pequeno Soldado Dançando sobre as Sepulturas Palestinas', uma referência ao filme "Pequeno Soldado", de 1963.

Uma fonte próxima ao escritório do cineasta, que se recusou a comentar o assunto publicamente, citou a pressão política como uma das razões pelas quais Godard cancelou sua visita. Os organizadores do festival disseram estar desapontados com a ausência do cineasta, que faria palestras a estudantes, mas respeitam sua decisão.

Grupos pró-Palestina pedem frequentemente a acadêmicos e importantes figuras culturais que boicotem Israel devido à ocupação da Cisjordânia e ao bloqueio da Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas. O maior sindicato britânico de palestrantes universitários disse a seus membros na semana passada para 'reconsiderar' suas ligações com a academia israelense. Ativistas sul-africanos pediram à escritora Nadine Gordimer, ganhadora do prêmio Nobel que fez campanha contra o apartheid, que cancelasse sua visita a um festival literário no mês passado, mas ela não atendeu ao pedido.

Israel recusa as comparações com a África do Sul. Grupos judeus também condenam os boicotes culturais e acadêmicos, chamando-os de 'anti-semitas'.