Lançamento de livros marca o centenário da morte de Machado de Assis

Leandro Souto Maior, JB Online

RIO - Este ano completam-se 100 anos da morte de Machado de Assis, considerado o maior escritor brasileiro de todos os tempos e também o mais universalmente compreensível dos nossos autores. Ele soube como poucos descrever os sentimentos mais comuns do ser humano e é unanimemente aclamado pela crítica e por leitores como um mestre da ficção.

Sobre sua vida, sabe-se menos do que gostaria, já que admitiu poucas pessoas em sua intimidade. A biografia de Joaquim Maria Machado de Assis costuma ser uma operação arqueológica. Sabe-se que o feliz casamento (que durou 35 anos) com Carolina Novais em 1869, deu ao escritor a serenidade necessária para escrever a maioria de seus brilhantes livros, como "Memórias póstumas de Brás Cubas", "Quincas Borba" e "Dom Casmurro". Seu grande amor morreu em 1904. O criador de Brás Cubas morreu em 29 de setembro de 1908, aos 69 anos, sem filhos, solitário e doente (o atestado de óbito diz que ele foi vitima de arteriosclerose - o endurecimento da parede arterial -, mas outros testemunhos dizem que morreu de câncer na língua), cercado apenas por alguns amigos, como Olavo Bilac e Euclides da Cunha. Machado de Assis não tinha parentes diretos. Filho de família humilde, foi criado pela madrasta depois da morte prematura dos pais. Foi ganhando merecido destaque em sua carreira graças ao seu talento e força de vontade, e acabou fundando e presidindo a Academia Brasileira de Letras.

Para marcar a data do centenário de sua morte, durante todo o ano, uma

série de livros sobre o 'Bruxo do Cosme Velho' está sendo lançada pela Editora Record. O primeiro lançamento acaba de ser lançado, chamado Toda poesia de Machado de Assis , que reúne pela primeira vez em um só volume toda a sua produção poética. Suas poesias, gênero que praticou com igual maestria, vêm sendo cada vez mais valorizadas por pesquisadores e estudiosos. Apenas um pequeno número de seus poemas é conhecido, mas a carreira de Machado foi marcada por grande dedicação à poesia, desde a estréia em 1854 até o último famoso soneto, "A

Carolina", publicado em 1906. O livro revela que a obra poética é extremamente relevante.

Entre os próximos lançamentos agendados para 2008 estão:

Almanaque Machado de Assis (lançamento em abril), um almanaque sobre Machado, com dados biográficos, guia de leitura e diversas informações para entrar no universo machadiano.

Recontando Machado (lançamento em abril), treze autores criam uma nova versão de contos

machadianos, como "Uns braços", "O caso da vara" e "Um homem célebre".

Os contos originais de Machado acompanharão as novas versões.

Vida e obra de Machado de Assis (lançamento em maio), de Magalhães Junior, trata-se de uma extensa biografia de Machado, dividida em quatro volumes: 'Aprendizado', 'Ascensão', 'Maturidade' e 'Apogeu'.

Contos de Machado de Assis - volumes I a 6 (lançamento em julho), os contos do Machado divididos por assuntos, como música, filosofia, adultério, mentira.