Em Bagdá, Angelina Jolie pede mais apoio para refugiados iraquianos

Paul Tait, REUTERS

BAGDÁ - A atriz e ativista Angelina Jolie lançou um apelo nesta quinta-feira por mais ajuda internacional para os milhões de iraquianos refugiados.

Jolie, que é embaixadora da boa vontade do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), reuniu-se com representantes da ONU, da embaixada e das forças armadas dos Estados Unidos na fortemente protegida Zona Verde, no centro de Bagdá.

- Ela está aqui em sua função oficial para conversar com representantes do governo, das forças armadas e da ONU sobre os refugiados e os deslocados internos iraquianos - disse o enviado da ONU a Bagdá, Staffan de Mistura.

A estrela já havia visitado o Iraque em agosto passado, quando foi a um acampamento improvisado para pessoas internamente deslocadas e encontrou refugiados iraquianos em Damasco, capital da vizinha Síria.

- Há mais de dois milhões de deslocados internos, e não parece existir um plano coerente para ajudá-los - disse Jolie à CNN.

- Há boa vontade e muita discussão, mas parece que, no momento, tudo não passa de conversa, e que muitas peças ainda precisam ser juntadas.

O Crescente Vermelho iraquiano estima que entre 1,5 milhão e dois milhões de iraquianos fugiram para a Síria, enquanto a maioria dos outros foi para a Jordânia. Há um número aproximadamente igual de iraquianos deslocados dentro de seu próprio país.

- Fiquei muito impressionado pelo fato de ela (Angelina Jolie) ser extremamente bem informada sobre a situação dos refugiados no Iraque e fora do Iraque - disse De Mistura depois de reunir-se com a atriz por cerca de 30 minutos.