Fatboy Slim comanda festa carioca com pancadões eletrônicos

Hugo Cals, JB Online

RIO - A expectativa era grande. Em sua sexta passagem pelo Brasil, o músico inglês Normam Cook, mais conhecido como o DJ Fatboy Slim, aportou no Brasil no início deste ano para uma série de apresentações pelo país. Depois de tocar em São Paulo na última quarta-feira, na noite deste sábado, 26, foi a vez do público carioca conferir a apresentação do DJ.

Ele está em turnê tupiniquim lançando seu novo DVD batizado com o sugestivo nome de "Incredibles Adventures in Brazil" (Incríveis Aventuras no Brasil, em tradução livre). Apaixonado pelo país e fã declarado da cultura nacional, Fatboy fez do Brasil sua segunda casa. Em entrevista recente ele afirmou que sua popularidade por aqui chega a ser maior do que em sua terra natal.

Depois de sacudir a Praia do Flamengo em 2004, e lotar o Riocentro no ano passado, desta vez Fatboy comandou a festa Vivo Electronic Beats, no Vivo Rio, casa de shows no sub-solo do MAM (Museu de Arte Moderna).

Por volta de meia-noite ainda era possível comprar tranquilamente o ingresso nas bilheterias (o de pista custava R$ 80), para desespero dos cambistas que tentavam vender a todo custo seus estoques.

O DJ João Paulo abriu a noite para um público que ainda começava a entra na casa. Variando entre o house e o minimal, o DJ soltou batidas interessantes que começaram a animar o público.

Por volta de 1h30, foi a vez da segunda atração da noite, a bela Mary Zander, carioca de 28 anos, entrar em cena para mostra a força do electro, vertente mais dançante do house. O público respondeu dançando euforicamente e começando a lotar a grande pista de dança.

Dançarinas ajudavam a DJ a animar o público, no palco dançando euforicamente ou até mesmo suspensas por cabos, "voando" pela galera.

Por volta das 3h, o Vivo Rio já tinha se tornado uma grande pista de dança, com um público animado e aquecido para a atração principal. Confirmando sua origem britânica, Fatboy subiu ao palco pontualmente neste horário para começar o que seria uma grande performance.

Logo na primeira música da noite, uma versão renovada do hit de 1998 ,"Praise You", Fatboy já obteve uma grande resposta do público. Nada é o que parece no som do DJ inglês: apesar de ter-se consolidado como DJ de house ele arrisca as mais variadas intervenções, passeando por diferentes vertentes da música, não necessariamente eletrônica.

O público ficou perplexo quando ele executou uma versão eletrônica da música "Rap das Armas", dos MCs Cidinho e Doca, tema de abertura do filme "Tropa de Elite". Agregando barulhos eletrônicos ao batidão do funk, Fatboy encontrou o equilíbrio entre a caretice inglesa e a malandragem carioca.

E as rendições a musicalidade brasileira não pararam por aí. Depois do hit "Put your hands for Brasil", foi a vez do clássico de Tom Jobim, o "Samba do Avião", ser apresentado repaginado. Ao som "Rio de Janeiro, rio de janeiro...", Fatboy declamou seu amor pelo público carioca e era só sorrisos.

Para os fãs de plantão, sucessos antigos como "Rockafeller Skank", "Right here, right now" e a sensacional "Fuckin´in heaven" não foram deixados de fora. Após 2 horas de apresentação, que Fatboy tocou sem parar o DJ deixou o palco finalizando uma perfomance marcada por pontos positivos.

Para quem ainda tinha disposição para dançar, o DJ Roger Lyra entrou em seguida e não deixou o nível cair, tocando música de qualidade até o amanhecer.