Nélida Piñon homenageia emigrantes ao receber medalha da Espanha

Agência EFE

RIO - A escritora brasileira Nélida Piñon homenageou hoje todos os emigrantes ao receber a Medalha de Ouro da Emigração das mãos do ministro de Trabalho e Assuntos Sociais espanhol, Jesús Caldera.

A escritora, nascida no Rio de Janeiro em 1939, é descendente de espanhóis. Nélida disse que este reconhecimento 'é muito especial'

devido ao tema a que se refere e porque ela 'é uma mulher comprometida desde sempre' com a emigração.

- Tanto que meu romance "A República dos Sonhos" é um romance que trata dos 200 anos do Brasil e da época da emigração. É como se minha família estivesse recebendo a medalha - afirmou a autora.

Nélida, que ganhou o Prêmio Príncipe de Astúrias das Letras em 2005, afirmou ter tido sempre a sensação de ser 'herdeira' de tradições, conhecimentos, de uma cultura e de uma 'arqueologia dos sentimentos'.

Após considerar o emigrante como um ser heróico, disse que mereceria o estatuto de exilado, que é aparentemente mais elegante, por ter dado dimensão à Europa.

O emigrante 'demonstrou uma solidariedade, uma grandeza moral extraordinária, porque manteve uma ponte entre seu novo país e sua pequena aldeia'.

- Acho que o Brasil sofre uma mudança excepcional, inclusive sócio-econômica, a partir do fim do século XIX devido à presença do emigrante - acrescentou, ao lembrar a influência de espanhóis e italianos em estados como São Paulo e Rio de Janeiro.

- Nas Américas, os emigrantes tiveram que ganhar um espaço, dar credibilidade moral a seus atos, a suas palavras, legitimar suas biografias. E fizeram isso através dos filhos - acrescentou.

O ministro espanhol afirmou que Nélida Piñon 'representa melhor que ninguém esse cruzamento que significa a comunhão de diversas culturas, de uma pessoa que não perdeu suas raízes espanholas'.

Caldera, que com este ato encerrou sua visita oficial ao Rio de Janeiro, ressaltou que se trata de uma 'grande escritora, uma grande intelectual, tanto no Brasil como na Espanha', reconhecida internacionalmente.

A medalha 'quer testemunhar esse reconhecimento de uma comunidade de espanhóis' que, ao sair de sua pátria, ajudou a construir outros países, como o Brasil, e também a própria Espanha.

Ele afirmou que Nélida Piñon sempre lembra suas raízes e é 'uma grande defensora do português, logicamente, mas também do castelhano' como línguas universais, o que 'merece nosso reconhecimento e agradecimento'.