Diana Krall seduz público de Hollywood

REUTERS

LOS ANGELES - Ver a grande Diana Krall em ação outra vez, agora que ela é mãe, é um verdadeiro chute na cabeça, como dizia Dean Martin -- algo estarrecedor.

E a maneira como ela falou sobre a maternidade teria agradado em cheio ao 'Rat Pack'.

- Passei algum tempo fora - disse ela desde seu refúgio favorito sobre o banquinho do piano.

- Tive dois bebês ao mesmo tempo.

Na estrada desde julho, ela está viajando acompanhada de seus filhinhos gêmeos. - Ser mãe é a melhor coisa que já me aconteceu - ela prosseguiu.

- Quem precisa dormir?

Seus filhos com seu marido, Elvis Costello, nasceram em dezembro: Dexter Henry Lorcan e Frank Harlan James.

Talvez seja magnanimidade demais dizer que Diana Krall é a melhor coisa que já aconteceu à canção americana, mas foi essa a impressão que se teve nessa noite, quando ela aplicou sua musicalidade abundante a seu repertório de canções clássicas.

Em 'How Insensitive' e 'I'll String Along With You', ela transformou cada sílaba numa coisa brilhante, reluzente, sussurrada ou pastel, reunindo todas num gesto comovente mas contido em direção ao coração.

Seu timing era perfeito, seu fraseado, lesteriano. O público, muitos de cujos integrantes sabiam quem é Lester Young, se deixou cativar totalmente.

Mas a mamãe realmente começou voltar para casa nas canções agitadas 'From This Moment On' e 'Devil May Care', nas quais uniu-se à insuperável Clayton Hamilton Jazz Orchestra numa brincadeira instigante.

A sensação que se teve foi que seu coração se abriu por completo quando ela assumiu seu lugar de direito como uma dos integrantes da banda.

Diana, a glamurosa, com seus cílios longos e sua atitude sensual, ficou no passado. Essa noite ela estava de jeans, salto agulha e uma bata de seda, direta e sem rodeios como Holly Hunter em 'Saving Grace'.

'I'm Walkin'' encerrou o show, com a big band logo atrás dela, sem perder uma batida.

E a canção fez os 11.600 presentes se erguerem juntos, para ovacionar Diana Krall em pé.