Cerca de 70 mil vozes reunidas para pedir ao G8 que ajude a África

Portal Terra

ROSTOCK - Cerca de 70 mil pessoas assistiram nesta quinta-feira ao concerto 'Sua voz contra a pobreza' que tocou clássicos do pop, música étnica e uma canção protesto para reivindicar que o grupo de países mais ricos do mundo e a Rússia (G8) cumpram suas promessas de ajudar a África.

O festival, organizado pelos músicos Bob Geldof, Bono e pelo alemão Herbert Grönemeyer, reuniu na cidade portuária de Rostock artistas de países em desenvolvimento, como os nicaragüenses Perrozompopo e o ugandense Peter Miles, com grupos locais como Die Toten Hosen e Silvermond.

O principal momento da 'cúpula do rock', como os organizadores batizaram o concerto, foi quando músicos como Bono, Geldof e Youssou N'Dour se uniram no palco para interpretar 'Carry that weight', dos Beatles, e 'Get up, stand up', de Bob Marley.

A canção dos Beatles, que trata da má consciência, foi dedicada à chanceler Angela Merkel e levou o público ao delírio quando um boneco de tamanho real da chefe do Governo dançou no palco.

Quando começou a tocar 'Get up, Stand up', que faz um convite para as pessoas se levantarem em defesa de seus direitos, os músicos chamaram os presentes a se sentar.

Também participaram do concerto artistas como Mo'Some Big Noise, de Moçambique; Leo Muntu, da Zâmbia; Bassekou Kouyate, de Mali; e Bangla, de Bangladesh.

Os organizadores explicaram que esses artistas representam o P-8, os oito países mais pobres do planeta, em oposição ao G8, cujos líderes se reúnem até sexta-feira no luxuoso balneário de Heiligendamm.

O cantor irlandês Bono, líder do U2, pediu no palco que o G8 cumpra as promessas feitas na cúpula de Gleneagles (2005), na qual se comprometeram a investir US$ 25 bilhões na África até 2010.

- Eles estão nos ouvindo; a dois quilômetros de distância, mas nos ouvem e isso é o que importa -, exclamou Bono em referência às fortes medidas de segurança e à cerca de arame de doze quilômetros que separam os manifestantes dos oito líderes.

O cantor Campino, de Die Toten Hosen, também brincou sobre esta questão. Ele compôs uma canção especificamente para o festival chamada 'Angela Merkel celebra uma festa mas não nos convida'.

Bono e Geldof, que participou dos grandes concertos do Live 8 em 2005, incentivaram a sociedade a se 'movimentar' e a lutar pelos direitos dos desfavorecidos.

O concerto, que durou quase seis horas, terminou com Bono eufórico cantando em inglês e alemão com o germânico Grönemeyer, que, entre uma música e outra, pediu ao G8 que 'faça justiça na África de uma vez'.

O lema 'Mantenham suas promessas' foi cantado por Bono e os 70 mil espectadores no final do concerto, que aconteceu de forma pacífica e sem incidentes significativos, de acordo com fontes policiais.