Afinal, camarada, de onde vem essa febre?

Angélica Paulo, Agência JB

RIO - Berço da boemia carioca, a Lapa sempre foi famosa por apresentar ao público novidades na área de música e cultura em geral. No último final-de-semana, a novidade da vez foi apresentada num 'Teatro Odisséia' lotado e com gente do lado de fora, que não conseguiu entrar.

Os responsáveis por tamanha comoção são 13 paulistas conhecidos como 'O Teatro Mágico'. O grupo idealizado pelo vocalista Fernando Anitelli tem pouco mais de três anos de existência, mas já arrebata o público como muitos veteranos por aí não conseguem mais fazer.

A fila que se formou na porta da casa, pouco antes das 21h, horário previsto para a abertura do local, já denunciava que um público fiel, que bate ponto diariamente na comunidade da trupe no orkut, tomaria conta da noite. Maquiados, usando narizes de palhaço e exibindo todo um estoque de apetrechos circenses, jovens adultos e adultos que virarão jovens, cantarolavam as músicas do grupo antes mesmo do show começar.

- Nunca vi um show do 'Teatro Mágico'. Na verdade, vim a convite do meu amigo e da namorada dele, que já são fãs dos caras. Mas espero um grande show - conta Carlos Augusto de Mattos, de 18 anos, que veio da escola diretamente para o Odisséia.

-Só os vi no DVD, mas adorei! Espero que o show de hoje seja tão bom quanto o que vi em casa - conta, eufórica, Fernanda Telles, 22 anos, que acompanhada de outras quatro amigas, aguarda o início da apresentação para conferir a performance do grupo.

E a trupe não decepciona. Com pouco mais de duas horas de uma apresentação variada, que vai desde as baladas entoadas por uma platéia hipnotizada, passando por canções da 'Dave Mathews Band' até chegar aos clássicos do grupo, como 'Realejo', 'Anjo mais velho' e 'Camarada d´água'.

Marcos, garçom do 'Teatro Odisséia' há pouco mais de três anos, conta que nunca, desde que trabalha no local, viu um público tão empolgado. Num dado momento, larga bandeja e bebidas, não se preocupando se o chopp vai esquentar ou se o cliente vai reclamar. O que ele quer é apenas para olhar e entender o faz daquele grupo algo tão especial.

E o que ele viu foram performances no trapézio, malabares no palco, evoluções num tecido. Tudo regado a músicas cujas letras falam de amor e poesia, exaltando as diferenças e criticando a mídia convencional.

Ao final, a apoteose do grupo foi em meio ao público, ovacionado por jovens que degustavam suas palavras como se fossem manjar dos deuses.

- É mágico! Não tenho palavras para descrever o que estou sentindo agora! - berra um emocionado Carlos. Aquele mesmo que não conhecia os músicos e veio da escola diretamente para o show.

- Não quero saber de outra coisa, agora! - revela Fernanda, quase em lágrimas, tentando abraçar um dos componentes do Teatro Mágico, que pára, faz carinho, dá atenção. Esse momento é só deles e a união entre ídolo e platéia é o que faltava para a noite ser perfeita.

Os responsáveis pela febre

Formados há pouco mais de três anos na cidade de Osasco, em São Paulo, a trupe d´O Teatro Mágico é composta por 12 músicos e 3 artistas circenses, que misturam elementos de circo, teatro e poesia.

O objetivo do grupo é transformar os acontecimentos do cotidiano num grande circo, onde o principal personagem é o público.

Compõem a trupe Fernando Anitelli, idealizador do projeto, além de Charlão, Holden, Trevisan, Edu Diux, Miguel, Willians, DJ HP, Galdino, Rapha, Gabi, Ligia, Rober, Ivan e Toicinho.

O Teatro Mágico já vendeu mais de 40 mil cds, de maneira totalmente independente, sem apoio da mídia, apenas com propaganda boca-a-boca. As apresentações, até agora restritas a cidade de São Paulo, ganharam a região Sudeste e agora o grupo se prepara para apresentações no Nordeste, a começar por Recife.