Erasmo Carlos em ritmo de amor na Fundição Progresso

Tremendão faz show neste sábado

"O amor está na moda, cara!" É a esta máxima que Erasmo Carlos credita seus 53 anos ininterruptos na estrada. Em turnê com o novo disco "Amor É Isso", indicado ao Grammy de Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro, o Tremendão se apresenta neste sábado (27) na Fundição Progresso, famosa casa de show na Lapa, Centro do Rio. Erasmo concedeu entrevista ao JORNAL DO BRASIL e falou um pouco de carreira, saudade, novos tempos, tecnologia e amor, é claro.

Macaque in the trees
Erasmo Carlos (Foto: Guto Costa/Divulgação)

JB: Como é, depois de mais de 50 anos de carreira, subir ao palco e se deparar com um público fiel e tanto te admira?

Erasmo: "Acho que isso é resultado da força das minhas músicas, porque eu sempre falo de amor nelas. O amor parece que é sempre a mesma coisa, mas não é: cada dia muda. Não é o mesmo de ontem e não será igual amanhã. Quem não amou de verdade ainda, ou está caminhando a isso ou vai amar, certamente, quando encontrar alguém. Amor tá sempre na moda, cara!

JB: Em seus shows, qual música que não pode faltar de jeito algum?

Erasmo: “'Sentado à beira do caminho'. Atravessei por várias fases na minha carreira. Então, é natural que você tenha músicas que agradem diferentes gerações. Por incrível que pareça, não são todas as pessoas que querem ouvir trabalho novo; a maioria quer ouvir seus trabalhos antigos. E eu me vejo muito como fã, por exemplo: quando os Rollings Stones vêm ao Brasil, eu quero ouvir as músicas antigas, que eu vou cantar junto, nem que seja a enésima vez que eu esteja cantando 'Satisfaction'. ”

JB: Desse novo álbum, quantas músicas teve sua nova esposa como inspiração?

Erasmo: "Olha, quase todas, bicho! As músicas desse novo álbum são extraídas dos poemas que eu fiz, que sairão em um livro. Até as que fiz em parceria, como com a Adriana Calcanhoto, foram tiradas desses poemas, em que eu mandei para ela e ela adaptou em canção.

JB: Ainda sobre a experiência de carreira, seu novo disco tem parcerias com novos nomes da música brasileira, como o Emicida. Através desses duetos, você se sente mais ensinando ou aprendendo com eles?

Erasmo: "Eu acredito que ensino com meu estilo, com as coisas que gosto e que eu sei que são de boa qualidade. Não importa que sejam antigas; se é bom, será bom sempre! E eu parto desse princípio até para ter novos fãs. Preciso estar antenado e sempre em conexão com o que é novo. Se gostarem do que eu faço agora, com essas parcerias, por exemplo, vão se interessar pelo que eu fiz antigamente, aí eles me descobrem e eu ganho um novo fã."

JB: Por falar em novo, você se considera um adepto das mídias sociais? Costuma se ouvir nesses aplicativos de música? E o que costuma ouvir, normalmente?

Erasmo: "Confesso que escuto, ainda hoje, músicas mais antigas. Eu prefiro. É uma forma de eu dar uma satisfação à minha saudade. Escuto muita música dos primórdios do rock ‘n’ roll, baladas, e são justamente nas plataformas digitais que eu faço isso. De repente me dá saudade de fulano, aí eu abro meu aplicativo e vou lá ouvir. Outro dia, por exemplo, foi Burt Bacharach. Hoje em dia, acho que as músicas têm muito ritmo e pouca melodia. Então, tento manter esse canal aberto com o que me agrada mais, mas longe de ter qualquer tipo de preconceito. Ouço de tudo e a tecnologia me permite isso.

Erasmo Carlos sobe ao palco da Fundição às 22 horas deste sábado, dia 27 de abril. A Fundição Progresso fica na Rua dos Arcos, 24 - Lapa.

Os ingressos variam de R$60,00 a R$200,00 e podem ser adquiridos através do site (https://www.eventim.com.br/novos-baianos-e-erasmo-carlos-rio-de-janeiro-ingressos.html?affiliate=BR1&doc=artistPages/tickets&fun=artist&action=tickets&key=2433137$11774000&jumpIn=yTix) ou na bilheteria da Fundição: de segunda a sexta, das 11h às 20h; sábados (somente em dias de show), a partir das 12h, sem taxa de conveniência/administrativa.

Formas de Pagamento: dinheiro (bilheteria Fundição) e cartão de crédito (site Eventim)