Mulher de Chapo Guzmán anuncia linha de roupas com seu nome

Emma Coronel, esposa do famoso capo mexicano Joaquin "Chapo" Guzman Loera, condenado em Nova York em fevereiro pelo tráfico de centenas de toneladas de drogas para os Estados Unidos, anunciou nesta segunda-feira o lançamento de uma linha de roupas que será batizada em homenagem ao marido, com suas iniciais, JGL.

"Tenho um projeto para uma linha de roupas em andamento (...) É meu objetivo projetar meu estilo e o de Joaquín", disse Coronel, de 29 anos, ao anunciar a notícia em sua conta no Instagram, onde tem mais de 100.000 seguidores.

Ao lado do anúncio, Coronel publicou uma foto sua com longos cabelos soltos, jeans muito apertados e uma camisa também de brim, sentada em um sofá preto com almofadas de lantejoulas douradas.

A nova criadora pede a designers que estão em começo de carreira e estejam interessados em trabalhar com ela para contatá-la através do advogado, Mariel Colón, um dos defensores de seu marido, e garante que ela também aceita sugestões de seus seguidores.

O traje de Coronel, mãe de duas filhas gêmeas de 7 anos de idade com Chapo, foi atentamente acompanhado durante o julgamento de três meses do capo em um tribunal federal no Brooklyn.

Coronel usava muito preto, com calças de elastano justas, blazers e saltos altos.

Já El Chapo, de 61 anos, é fã de camisetas com estampas, bonés e sapatos. A camisa chamativa, com grandes arabescos e largas listras cinzas e azuis que vestia para sua entrevista clandestina em janeiro de 2016 com o ator americano Sean Penn, da marca de Los Angeles Barabas, esgotou quase imediatamente.

Uma mulher que afirma ser a filha de Chapo, Alejandrina Gisselle Guzmán, já anunciou em janeiro o lançamento de uma linha de roupas, jóias e licores com o nome "El Chapo 701". O número pe uma referência à posição do capo na lista de bilionários Forbes de 2009.

O anúncio de Coronel não menciona o assunto ou um alegado conflito legal sobre o uso da marca.

O ex-líder do cartel de Sinaloa foi condenado em 12 de fevereiro pelo tráfico de toneladas de cocaína, heroína, metanfetaminas e maconha para os Estados Unidos. Ele deve ser sentenciado em junho e pode ser condenado à prisão perpétua.

 

lbc/ll/ll