Jornal do Brasil

Cultura

Helena com sabor de sonho: confira a crítica de 'A moça do calendário'

Jornal do Brasil FRANK CARBONE, Especial para o JB

Que Helena Ignez é uma lenda viva do nosso cinema, não há qualquer dúvida. Sua herança do Cinema Novo e do cinema marginal representados pela Belair ainda persistem e oxigenam a produção cinematográfica atual, colocando-a num positivo lugar diferenciado hoje. Após o incrível “Ralé”, Helena segue em frente com esse petardo romântico-social-desvairado.

Baseado num roteiro deixado por seu marido, o seminal Rogério Sganzerla, a autora burilou o material para contar a história de Inácio, ex-gari e mecânico indolente, que sonha com a tal moça do título. O que Inácio não previa é que o filme é uma doce provocação passada entre o sonho e a realidade, e que a tal moça ia surgir na sua vida fora do calendário.

Macaque in the trees
Helena com sabor de sonho (Foto: Divulgação)

Quem viu os longas de Helena, sabe o que esperar aqui: provocação, ousadia, e uma vontade enorme de produzir afeto no meio de deliciosa anarquia fílmica. O diferencial aqui é o romantismo com que seus personagens se movem e regem suas relações, dando ao longa um caráter onírico e um tom de fábula, ainda que seja uma fábula com a cara da musa de “Copacabana mon amour”. 

______________________________

A MOÇA DO CALENDÁRIO: ** (Regular)

Cotações: o Péssimo; * Ruim; ** Regular; *** Bom; **** Muito Bom



Recomendadas para você