Suárez, CR7 e uma eterna rivalidade

Coadjuvantes de luxo Quaresma e Godín mostram a importância do Uruguai x Portugal

Uruguai e Portugal decidem a sorte hoje pelas oitavas de final num confronto inédito em Mundiais. As duas seleções só se enfrentaram duas vezes em toda a história - um amistoso em 1966 e pela Taça da Independência, em 1972 com uma vitória lusa e um empate. Pode-se dizer que não existe uma rivalidade entre as duas equipes que irão a campo hoje, às 15h, em Sochi, mas o fato de alguns de seus principais jogadores atuarem na milionária liga espanhola como os goleadores Luis Suárez, do Barcelona, e Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, temperam a partida com promessa de gols. 

Suárez, no entanto, põe a bola no chão e procura driblar a polêmica. “A rivalidade que temos com Cristiano lá (na Espanha) é diferente. Sempre tratamos de competir cada um com sua equipe e tentando fazer o melhor. Aqui é uma Copa do Mundo e o sentimento vai para cada um que veste a camisa de sua seleção. É especial”, arremata o goleador.

Para Suárez, mais importante é superar a sólida defesa portuguesa que, aliás, é comanda por Pepe, que atuou dez anos pelo Madrid. “Ele é um grande zagueiro, um dos melhores”, destaca o atacante, também muito bem servido de defensores em sua seleção que conta com  Godín e Giménez, a zaga titular de outro clube espanhol, o Atlético de Madrid.

Do lado português sempre se comenta que os atuais campeões europeus precisam livrar-se da dependência de seu astro maior e atuar mais coletivamente. “Temos de jogar em equipe. Se Cristiano jogar sozinho, Portugal vai perder”, sentencia o treinador Fernando Santos. 

E foi pensando nisso que o técnico promoveu em sua equipe um encontro de dois velhos amigos. Crias da base do Sporting, Cristiano Ronaldo e Ricardo Quaresma eram inseparáveis em campo e fora dele até que Quaresma foi vendido para o Barcelona em 2003. E Cristiano zarpou para o Manchester United numa trajetória que o mundo conhece. 

Badalado desde as seleções de base portuguesas, Quaresma não atingiu o estrelato do companheiro. Decepcionou no Barcelona e perambulando por vários clubes e tampouco a dupla disputou um Mundial junta pois o meia atacante especialista em bater de trivela foi preterido nas Copas de 2006, 2010 e 2014. Seu reencontro em campo com CR7 se deu na conquista da Eurocopa de 2016 - a maior conquista da história do futebol português - e os amigos respondem pelos cinco gols de Portugal na Copa até o momento.

Uruguai: Muslera, Cáceres, Godín e Giménez e Laxalt; Nández,  Bentancur, Vecino e Torreira; Suárez e Cavani. Portugal: Rui Patrício; Cédric, Pepe, Fonte e Guerreiro; William Carvalho, Adrien, Quaresma e João Mário; André Silva e Cristiano Ronaldo. Juiz: César Ramos (México).