Imprensa estrangeira destaca "Paulinhazo" e beijos de Neymar

A Seleção Brasileira entrou em campo nesta quarta-feira, contra o Uruguai, com a missão de evitar a eliminação na semifinal da Copa das Confederações em pleno Mineirão. Contando com atuações decisivas de Paulinho e Neymar, o time do técnico Luiz Felipe Scolari venceu por 2 a 1 e garantiu presença na decisão do próximo domingo. Para a imprensa estrangeira, o jogo foi de um "Mineirazo" para um "Paulinhazo".

'Paulinhazo a Uruguay", esta foi a manchete do Marca, jornal da Espanha, nação cuja seleção busca ir à decisão por meio de semifinal contra a Itália. Para o diário, Paulinho "espantou os fantasmas do Mineirão". A publicação de Madri ainda deu espaço para as provocações de Neymar ao uruguaio Álvaro González, que recebeu "beijinhos" do atacante.

Já os jornais da Catalunha, que aguardam Neymar no Barcelona, tiveram o jogador em seu foco. Para o Mundo Deportivo, o camisa 10 não se escondeu, tanto é que participou dos dois gols do Brasil. O Sport, por sua vez, lembra que a vitória da Seleção não veio com brilho, ainda que o atacante tenha sido decisivo.

Na itália, o foco do jogo ficou por conta de Edinson Cavani, estrela do Napoli. O atacante fez o gol do Uruguai e foi um dos destaques da partida. "Cavani não basta", disse La Gazzetta Dello Sport. Já o Corriere Dello Sport seguiu o mesmo tom, mas cometendo uma gafe: chamou a Seleção de equipe "carioca".

Na Inglaterra, o jogador mais visado foi Paulinho, já que tem seu nome ligado a uma transferência ao Tottenham. Entretanto, o Guardian aproveitou para provocar Neymar porque o atacante se jogou em disputa de bola. "Neymar está sendo substituído e a grande questão é: ele conseguirá andar do meio do gramado até a lateral sem cair? Sim, ele consegue, que herói!", ironizou o jornal britânico.

Para os uruguaios, restou lamentar a eliminação. "Demos um susto neles", decretou o Ovación, braço esportivo do El País, que considerou que o time celeste começou melhor. Já o Espectador achou que o "Uruguai merecia mais", mas gol do "implacável" Paulinho decidiu o jogo a favor do Brasil.