SP Cine e Tamanduá: duas novas opções

A quarentena serviu para impulsionar e revelar serviços de streaming que sequer sabíamos da existência (já são cerca de uma dezena e contando), além do Netflix, AppleTV+ e Prime Vídeo, entre os mais conhecidos. Mas, apesar disso, os catálogos destes, em geral, capricham mais no conteúdo de suas matrizes, muitos filmes e séries produzidos nos Estados Unidos, quase nada daqui ou da Europa. Uma exceção é o Petra Belas Artes, que conta com um excelente catalogo de filmes europeus.

Mas, dois novos serviços de streaming (um pago e outro gratuito) apareceram para saciar a fome dos espectadores que curtem mais diversidade e menos obviedades. O gratuito (pelo menos, até o final do ano), é o SP Cine Play, que se acessa baixando o aplicativo no PC ou celular. Ou, dentro do site Looke (que está, até setembro, com uma seleção do Festival de Cinema Francês Varilux, gratuito). O pago é o Tamanduá TV, que disponibiliza um vasto catálogo com produções nacionais (entre longas, curtas e especiais), parte dele vindo do acervo do canal por assinatura Curta!

 

No Tamanduá dá para se esbaldar com produções nacionais (entre longas, curtas, documentários), que compõem uns 80% do acervo. É muita coisa, para todos os gostos. Tudo dividido em cinco planos distintos (cinebr, cinedocs, cineeuero, curta!mais e enem), para o assinante escolher o mais adequado ao seu gosto. Como se vê, há um plano para cinema europeu, com não apenas clássicos, mas também, produções mais atuais.

Já no SP Cine (plataforma pública, bancada pela Prefeitura de SP, através da Secretaria de Cultura), a programação é totalmente voltada para a produção nacional. E os títulos vão entrando no catálogo a medida em que as mostras vão acontecendo na cidade (e, também, no país). Mas, há ainda espaço para mostras especiais. Como as de Zé do Caixão (fantastica!, com e sem trocadilho) e dos diretores Hector Babenco e Suzana Amaral. Além disso, há também espaço para eventos e espetáculos diversos. Como performances e shows, filmados nos espaços culturais da ‘paulicéia’. É muito bacana. Ainda mais por ser totalmente gratuito. Basta criar um login e senha e desfrutar de tudo, a qualquer hora. Não vai sobrar tempo para preencher agora.

 

.R.U.G.I.D.O.S.

*Ainda está em versão beta, mas a plataforma Sesc Digital já disponibiliza, gratuitamente, programas, shows, documentários, palestras, peças e até filmes, no site sesc.digital. O conteúdo é quase todo extraído do próprio Sesc, através de suas filiais. É uma iniciativa muito bacana. Mesmo em beta, está dez!

* Se o seu interesse for estritamente em filmes de terror, o aplicativo Darkflix (app.darkflix.com.br) é a pedida. Por apenas $9,90 mensais (plano único), ele oferece uma boa variedade de filmes de terror, num catálogo ainda pequeno, mas bem selecionado.

*Já está em cartaz no INFF - Inffinito Film Festival, a “Mostra Mulheres do Audiovisual”, evento digital e gratuito que apresenta 25 longas e 13 curtas-metragens de realizadoras brasileiras, como Anna Muylaert, Rosane Svartman, Tizuka Yamasaki, Mini Kerti, etc. Alguns deles, inéditos. Todos os filmes poderão ser assistidos, na plataforma inff.online, até 13 de julho.

*Nos próximos dias 20 e 21 de junho (neste sábado e domingo), o Festival Estar Bem ganha segunda edição, com novos conteúdos exclusivos de saúde, bem estar e arte, além de apresentações musicais. É só procurar no YouTube, pelo nome, a partir das 12h.