Para ver um mundo novo

Com os progressos tecnológicos, muitos gadgets e dispositivos foram lançados nos últimos anos, mudando diversas ações cotidianas nos ambientes pessoais e profissionais. Em 2019, um novo produto deve reacender as discussões sobre os avanços deste mercado e impactar de maneira significativa o mercado.

HoloLens 2, a mais recente aposta da Microsoft, é a segunda geração do fone de ouvido de realidade aumentada, uma versão mais leve e um pouco mais barata do que a original, lançada há três anos. Feito de fibra de carbono, ele foi redesenhado para ser mais confortável e possui um maior nível de detalhe das projeções de imagens holográficas.

As primeiras demonstrações exibiram uma variedade de possíveis usos no local de trabalho em vários setores, como na fabricação de automóveis, reparos de equipamentos industriais e procedimentos médicos auxiliados pela tecnologia de realidade aumentada.

Contudo, o grande diferencial do HoloLens 2 será a implementação da realidade mista, ou seja, o hardware da Microsoft trabalharia com o software de outras empresas e haveria a possibilidade de outros desenvolvedores criarem suas próprias lojas de aplicativos para as lojas da HoloLens. A empresa também apostará em um ambiente aberto para outros navegadores, por exemplo.

Todas essas novidades devem atrair outras empresas para contribuir com a criação de software para o HoloLens, além de impulsionar o produto entre grandes concorrentes, como Magic Leap, Facebook, HTC, entre outros. Para esse primeiro momento, a Microsoft afirma estar trabalhando em uma parceria com grandes nomes, incluindo a Saab, Airbus e Honeywell.

Este novo modelo, que custará US$3.500, reforça o compromisso da Microsoft, em meio à comunidade de realidade mista, por um futuro mais aberto - de criatividade, ideias, onde possíveis barreiras sejam removidas e propagação do conhecimento seja comunitário.

--

INSTAFRIENDLY

A geração do milênio trouxe novas formas de consumo e também de uso para as mídias sociais, sobretudo o Instagram. Com ela, um novo desafio surgiu para os estabelecimentos comerciais que tem nesse público seu alvo principal: tornar-se "instagramizável".

Com muitos usuários do Instagram fotografando suas refeições para exibi-las em seus perfis, a comida se tornou um elemento importante nas redes sociais. Notando essa tendência, muitos restaurantes seguiram a onda e tornaram-se "Instafriendly", ou seja, possuem sua decoração, iluminação e apresentação dos seus pratos cuidadosamente pensadas.

Um dos primeiros a trabalhar dessa maneira sua imagem foi o Pez Playa. Localizado em um hotel de luxo, o restaurante tem funcionários treinados a incentivarem a ação de fotografar a experiência gastronômica. Mas esse não é o último segmento impactado pelo Instagram. A Coterie, startup de comércio eletrônico, vende kits de festa para transformar qualquer evento em um espetáculo a ser compartilhado na rede.

O que esses casos mostram é potência das mídias sociais para os millennials, o seu poder de influência e o valor que o Instagram tem como ferramenta de marketing.

------

LIMPEZA ATRASADA

E as novidades em 2019 não param de acontecer com os grandes nomes do mercado. Agora é a vez do Facebook e a tão aguardada ferramenta Clear History, recurso de privacidade que permite ao usuário limpar as informações que a rede social coleta sobre aplicativos e sites de terceiros.

Ainda não se sabe exatamente como vai funcionar na prática, mas esse movimento já mostra uma preocupação da companhia de Mark Zuckerberg quanto ao acesso de informações pessoais, principalmente depois do episódio Cambridge Analytica. A nova ferramenta iria além do que já é oferecido hoje e daria maior transparência sobre o que é coletado, quais sites e aplicativos estão fazendo essa coleta e a possibilidade removê-los completamente da rede social.

Embora essa ação possa trazer impactos na capacidade do Facebook de segmentar anúncios, Zuckerberg enxerga essa oportunidade como importante não apenas para se adequar a todo um ecossistema que tem se instaurando quanto à privacidade de dados, mas também para retomar a confiança de seus usuários.