Índios Assurini pedem socorro

José Peres
Credit...José Peres

Representantes da Funai receberam semana passada grave denúncia de que uma ação de grileiros promoveu um assassinato ainda não quantificado de índios isolados na Terra Indígena Ituna/Itata, entre os rios Xingu e Bacajá, no Pará. Cinco grileiros foram presos por índios da etnia Assurini e entregues às autoridades locais, porém nada mais foi feito. A TI Ituna/Itatá é uma área de restrição de uso que constitui território de alguns povos genericamente referidos como "povos isolados de Ituna/Itatá", indígenas sem contato, diferentes dos Assurini, localizados há 48 anos. Só podem entrar nesta reserva funcionários da Funai encarregados de estudar essas etnias. Porém, desde o início das obras da usina de Belo Monte, em 2011, as taxas de crescimento de áreas desmatadas encontram-se em franca expansão devido à presença dos grileiros _ uma das casas de força da usina foi construída a menos de 50 km da principal aldeia dos Assurini. Os indígenas pedem ajuda para evitar o que eles garantem que pode estar se constituindo em uma tragédia sem precedentes.

Linha dura no INSS

Pra quem se diz tão anti-comunista, o governo Bolsonaro gosta de praticar uma espécie de "stalinismo raiz". Na sexta-feira o presidente do INSS, Renato Rodrigues Vieira, baixou portaria proibindo os funcionários de "conceder entrevistas ou fornecer informações" à imprensa sobre a Reforma da Previdência. Só quem pode falar sobre o assunto a partir de agora é o Ministério da Economia.

Homenagem póstuma

Todos os coleguinhas de sala do Colégio Darwin, de São Bernardo do Campo, de Artur, o neto de Lula, que morreu de meningite, usaram camisetas com o rosto dele na missa de sétimo dia que a família mandou rezar, quinta à noite, na na igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Santo André (SP). Uma camisa assinada por todos será entregue esta semana ao ex-presidente, em Curitiba.

Regime de trabalho

Fim de sessão na Câmara e o vereador Luiz Carlos Ramos filho comentava numa roda de amigos que desde que assumiu o cargo, em 2017, já perdeu nove quilos. Está uma sílfide!

Por fora, bela viola

Não passa uma semana sem que a Secretaria Municipal de Saúde não faça um contrato emergencial de limpeza. No Diário Oficial de sexta-feira, a Rio saúde contratou por R$ 2,4 milhões a Rio Service Tecnologia, para deixar o hospital Ronaldo Gazolla um brinco durante 180 dias. São R$ 400 mil por mês em faxina. E pensar que até pouco tempo o hospital nem pagava salário dos funcionários.

Bagunça municipal 1

E por falar em prefeitura, em janeiro o Bispo Crivella gastou nada menos que R$ 129 milhões com despesas de recursos humanos das organizações sociais. Fazem parte da lista entidades como o Viva Rio, Cruz Vermelha e a Rio Saúde, entre outras. As despesas referem-se a férias, encargos e benefícios diversos. Só que um relatório da Comissão de Programa de Controle de Despesas publicou relatório apontando uma série de fragilidades nas prestações de contas destas organizações.

Bagunça municipal 2

Entre elas estão a ausência de notas fiscais, rateio incorreto, ausência de comprovação de recolhimento de tributos, despesas em desacordo com o objeto do contrato, recibos sem assinatura, inconsistência no cadastro dos profissionais lotados nas unidades, não disponibilização dos nomes dos beneficiários de vale transporte, alimentação e refeição, entre outros.

Piada sem graça

Enquanto Ciro Gomes e alguns poucos tentam fazer sua parte na oposição, uma outra galera resolve brincar de twitter com o Zé de Abreu. Depois reclamam.