Lixo, lixo, lixo...

O consenso geral é que os blocos de rua resgataram o espírito do Carnaval, e até aquela estranha cidade ao Sul do País jacta-se de já ter mais desfiles do que no Rio. Mas em algum momento autoridades e organizadores dos desfiles vão precisar deixar paixões de lado e tratar de pôr alguma ordem na folia. Uma coisa são os pequenos blocos de bairro, que atraiam cinco mil pessoas, outras são blocos que viraram marcas, arrastando dezenas de milhares de foliões e outra mais complicada ainda são os mega blocos patrocinados. Quem não gosta de samba, pode até não ser bom sujeito, mas também tem direitos. Para ilustrar esse complicado debate, nada melhor que os versos da marchinha que o compositor Cecelo Frony, morador de Ipanema desde a infância, compôs ontem de manhã depois de dar uma volta pelo bairro e constatar o impacto do desfile do Simpatia é Quase Amor: "Lixo, lixo, lixo/A sua fantasia virou lixo/E eu que moro aqui/Olhando tudo sujo quase viro bicho/Fizeram xixi na calçada, fizeram cocô na escada/Latas de cerveja pela rua/Tá tudo sujo e claro que a culpa é sua/ Eu acho bonito o Carnaval/Todas as cores, toda a alegria/Mas se fosse em sua casa, meu irmão/Me diga, por favor, como faria?" Evoé!

Só no cartão

Polêmica à vista! Os desembargadores do Órgão Especial do TJ do Rio consideraram inconstitucional a Lei nº 7705/17 que obrigava estabelecimentos comerciais a disponibilizar aos clientes outras opções de pagamento diante da ocorrência de falhas no sistema dos cartões de crédito e débito.

É que...

Pela lei aprovada na Assembleia, os comerciantes deveriam disponibilizar o pagamento através de transferência eletrônica por conta corrente ou até mesmo assinatura de promissória, entre outras opções. Os magistrados acompanharam, por maioria, o voto da relatora, desembargadora Katya Monnerat, que considerou que a lei extrapola a competência dos deputados.

Fogo amigo

Quem conhece o entorno da Família B, garante que o deputado estadual Rodrigo Amorim pode ter faturado a presidência da Comissão de Orçamento ao se aproximar do governador W2, mas arranjou uma encrenca da grossa. Sua pré-candidatura à sucessão de Crivella ano que vem está sendo questionada nos bastidores do PSL pelo equilibrado vereador Carlos Bolsonaro.

#ficaadica

Em entrevista ontem ao "Valor Econômico", o ex-presidente José Sarney diz que "estamos matando nossa Democracia". Segundo ele, nos últimos anos "judicializamos a política e politizamos a justiça". Pode-se até não gostar do Sarney, mas não se deve menosprezar os anos de janela que ele tem.

Antes tarde...

A Assembleia vota amanhã, em discussão única, projeto do deputado Carlos Macedo (PRB), que torna obrigatório para alojamentos permanentes ou provisórios de instituições esportivas contar com uma equipe de brigadistas de incêndio. "A implementação de tal medida ganhou contornos de urgência em razão dos últimos acontecimentos", afirmou o parlamentar.

Dúvida

A cor do Partido Novo é laranja. Depois disso tudo será que vão manter?