Cunha vs Cunha

Hoje é dia de mais um capítulo do processo que o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, preso desde outubro de 2016, move contra Eduardo Cunha, pseudônimo de um escritor anônimo que lançou pela Editora Record o livro “Diário da Cadeia”. A 8ª Câmara Cível do TJRJ vai julgar um recurso no qual o ex-deputado pede que seja feita uma perícia no livro, para confirmar se se trata ou não de uma obra ficcional. O curioso desta etapa é que, alegando encontrar-se em “situação de fragilidade econômica”, Cunha pediu gratuidade de Justiça, o que já foi negado pelo tribunal. A perícia foi orçada em R$ 22 mil. O ex-deputado já foi derrotado neste caso em uma ação por meio da qual tentou embargar a distribuição do livro. O desembargador Nagib Slaibi entendeu que se tratava uma obra de ficção. “Na verdade, trata-se de uma obra literária de ficção, a qual tem como pano de fundo a realidade política brasileira. Em uma análise preliminar, conclui-se que não houve anonimato, vedado pela Constituição Federal, e sim a utilização de um pseudônimo em uma obra ficcional”, afirmou ele em sua decisão. Cunha tentar agora obter uma indenização por danos morais da Record de, no mínimo, R$ 100 mil.

Intervenção no BRT

O prefeito Marcelo Crivella pretende nomear o ex-deputado Luis Alfredo Salomão, que já exerceu vários cargos do alto escalão da prefeitura do Rio e do governo do estado, interventor do sistema BRT. Salomão foi o coordenador da transição entre a administração Eduardo Paes e a de Crivella, chegou a ser nomeado presidente da Previ-Rio, mas deixou o cargo dois meses depois da posse por divergências com o alcaide.

Aliás e a propósito

Crivella começa a aquecer os motores para 2020. E no melhor estilo Bolsonaro, vai tentar falar diretamente com o eleitor. Presidentes de associações de moradores receberam no fim de semana pelo whataspp o vídeo de cinco minutos onde o prefeito apresenta as realizações de sua gestão.

Conciliação digital

O TJ do Rio vai lançar mês que vem uma plataforma digital para solução de conflitos entre planos de saúde e seus clientes. A ideia é evitar que esses casos cheguem aos tribunais. Só no ano passado, o TJ recebeu 52 mil processos na área de saúde, gerando um custo aproximado de R$ 140 milhões. A negociação contará com o apoio técnico de peritos da Justiça e as perícias serão custeadas pelas empresas.

Favas contadas

E a deputada Tia Ju, que havia se lançado candidata à presidência da Assembléia, confirmou ontem o que até os ácaros do Palácio Tiradentes já sabiam: “seguirei a orientação partidária e votarei em André Ceciliano, de quem serei uma das vices”.

Saúde mental

No embalo da campanha Janeiro Branco, que alerta para os cuidados com a saúde mental, Márca Cuerci, do Hospital São Francisco na Providência de Deus (HSF), lança “Trocando seis por meia dúzia – Suicídio como Emergência do Rio de Janeiro”, na qual enfatiza a necessidade emergencial de criar políticas públicas para o tema. Dados da OMS indicam que 800 mil pessoas se suicidam anualmente no mundo. No Brasil, são mais de 10 mil mortes por ano.

Achados & perdidos

Levantamento inédito do VLT Carioca indica que quase 1.400 itens foram esquecidos em composições ou estações do sistema ao longo de 2018. Os itens mais comuns são guarda-chuvas, cartões de passagem e documentos. Entre os casos curiosos, já foram encontrados uma barraca de camping, uma tesoura de jardinagem e uma bengala perdida três vezes pelo mesmo dono.

LANCE LIVRE

O movimento Ocupa Vale promove hoje lavagem com lama às 18h30 na porta da sede da empresa, no prédio da FGV, seguido de um ato com velas acesas pelas vítimas da negligência da mineradora.